Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Inquérito contra Renan e Jucá completará quase 5 anos sem conclusão no STF

Aberta em março de 2017 com base em delações da Odebrecht, investigação foi prorrogada por mais dois meses e vai até, pelo menos, fevereiro de 2022

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 2 dez 2021, 17h21 - Publicado em 2 dez 2021, 17h20

Um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre supostos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro cometidos pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) e o ex-senador Romero Jucá (MDB-RR) completará quase cinco anos de tramitação sem uma conclusão pelos investigadores. Aberta em março de 2017 para apurar suposto pagamento de propina da Odebrecht aos dois emedebistas, a apuração foi prorrogada nesta quinta-feira, 2, pelo ministro Edson Fachin por mais dois meses – até, pelo menos, fevereiro de 2022, portanto.

O inquérito foi instaurado com base nas delações premiadas de ex-executivos da empreiteira baiana, como Marcelo Odebrecht e o ex-lobista Cláudio Melo Filho. Segundo a versão dos delatores, Renan e Jucá receberam 5 milhões de reais em 2014, como contrapartida à atuação deles pela aprovação de uma medida provisória de interesse da Odebrecht, a MP 627/2013.

O texto alterou a legislação tributária federal sobre o Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas e tratou da tributação de empresas domiciliadas no Brasil em relação a lucros obtidos no exterior, temas que interessavam ao grupo sobretudo pela atuação de sua construtora, sua empresa de óleo e gás e da Braskem, seu braço petroquímico, fora do Brasil. O dinheiro ilícito teria sido repassado a Romero Jucá ou prepostos indicados por ele.

Ao pedir por mais tempo para o inquérito, em novembro, a subprocuradora-geral da República Lindôra Maria Araújo afirmou que, após quase cinco anos, “o trabalho investigativo da Polícia Federal já se encontra em estágio avançado”, mas ainda há diligências pendentes em função da “complexidade e as especificidades dos fatos em apuração”.

Continua após a publicidade

Entre as pendências foram listados os depoimentos de quatro supostos operadores dos pagamentos, a análise do conteúdo obtido pela quebra de sigilo telemático do lobista Milton Lyra, apontado como suposto operador financeiro do MDB do Senado e o compartilhamento de informações contidas em outros inquéritos.

Após o fim das investigações, a Polícia Federal elabora um relatório conclusivo e remete as informações à Procuradoria-Geral da República, à qual cabe apresentar ou não denúncia ao Supremo contra autoridades com foro privilegiado, como Renan Calheiros. Romero Jucá não foi reeleito em 2018 e deixou o Senado em 2019, mas segue como alvo do inquérito no STF.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.