Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Estado é responsável por indenizar vítimas de violência policial, diz STF

Corte aprovou nesta quinta, 11, tese que obriga poder público a reparar casos de atingidos por bala perdida e pessoas que tenham sofrido danos em operações

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 9 Maio 2024, 12h25 - Publicado em 11 abr 2024, 18h28

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) fixou na sessão desta quinta-feira, 11, o entendimento de que o Estado é responsável por mortes e ferimentos provocados por operações policiais. A tese, deliberada dentro de um processo em que a Corte atribuiu repercussão geral, deve ser seguida em todas as instâncias do Judiciário brasileiro, no julgamento de casos que tratem desse mesmo assunto.

O texto aprovado pela Corte diz que “o Estado é responsável, na esfera cível, por morte ou ferimento decorrente de operações de segurança pública, nos termos da teoria do risco administrativo”. Deste modo, as vítimas e os parentes de pessoas que tenham sido atingidas por balas perdidas ou tenham sofrido danos por causa de operações policiais têm direito a receber uma indenização do Estado. Segundo a “teoria do risco”, ao fazer operações policiais, o Estado já estaria assumindo o risco de outras pessoas se ferirem.

O caso é um recurso extraordinário em um processo que começou no Rio de Janeiro, em 2017. A família de Vanderlei Conceição de Albuquerque, morador de Manguinhos, bairro da zona norte da capital fluminense, ingressou com uma ação indenizatória contra o Estado por causa do assassinato dele, durante uma operação policial. Albuquerque tinha 34 anos, era dono de um lava-jato e foi morto dentro de casa com diversos tiros que atingiram tórax, pulmões, diafragma e fígado.

Teses

Além disso, nesse mesmo julgamento o STF fixou mais duas teses sobre o assunto. Uma delas é de que, nessas ações judiciais, o Estado é quem tem o dever de provar que houve alguma excludente de ilicitude (fato que torna uma ação criminosa não-punível) que isente a conduta dos policiais. “É ônus probatório do ente federativo demonstrar eventuais excludentes de responsabilidade civil”, diz o enunciado.

Continua após a publicidade

A outra tese trata das perícias sobre a origem do disparo fatal. Segundo o que decidiu o Supremo, se a perícia não chegar a nenhuma conclusão, isso, por si só, não afasta a responsabilidade do Estado, que deve ser presumida. O texto votado diz: “perícia inconclusiva sobre a origem do disparo fatal durante operações não é suficiente, por si só, para afastar a responsabilidade civil do Estado, por constituir elemento indiciário”.

Em regra, a responsabilidade do Estado por indenização é subjetiva — a pessoa que pedi-la precisa provar na Justiça que houve dolo (intenção) ou culpa (negligência, imprudência ou imperícia). A tese fixada pelo STF nesta quinta reverte esse entendimento, para obrigar o Estado a indenizar as vítimas de violência policial e ter, ele próprio, a responsabilidade de provar que não tem responsabilidade no caso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.