Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Em protesto há seis meses, servidores ambientais farão ato contra governo

Funcionários do Ibama e do ICMBio, entre outros órgãos, estão mobilizados desde janeiro por reajuste salarial e reestruturação de carreiras

Por Victoria Bechara Atualizado em 3 jun 2024, 18h40 - Publicado em 3 jun 2024, 18h16

Servidores do Ministério do Meio Ambiente, do Ibama, do ICMBio e do Serviço Florestal Brasileiro organizam uma paralisação nacional para a próxima quarta-feira, 5, data em que é comemorado o Dia do Meio Ambiente. Entidades que representam a categoria planejam atos em todos os estados e no Distrito Federal para reivindicar reajuste salarial, reestruturação de carreiras e melhores condições de trabalho.

A mobilização dos funcionários do Ibama e do ICMBio já dura seis meses. Desde janeiro, eles suspenderam a maioria das ações de fiscalização ambiental e focam apenas em atividades internas e burocráticas.

Em maio, o governo fechou um acordo com os servidores públicos federais para reajuste de benefícios, como auxílio-alimentação e plano de saúde. O aumento salarial, porém, ficou apenas para 2025 e 2026. A proposta foi rechaçada pelos servidores ambientais, que decidiram manter a paralisação.

“A mobilização é uma resposta ao governo federal, que iniciou as negociações em outubro de 2023 e não avançou, apesar das contrapropostas elaboradas pelos servidores”, diz a Associação Nacional dos Servidores de Carreira de Especialista em Meio Ambiente (Ascema). 

Continua após a publicidade

Na última sexta-feira, 21, a entidade enviou um oficio ao Ministério do Meio Ambiente para informar sobre os protestos do dia 5. “Também solicitamos à ministra Marina Silva e aos presidentes do Ibama, ICMBio e SFB que reconheçam publicamente em seus discursos a importância dos servidores ambientais e a necessidade urgente de reestruturação e valorização da carreira”, afirma.

Degradação na Amazônia

Segundo a Ascema, a área de degradação florestal da Amazônia (eliminação parcial da vegetação por atividades como queimadas, garimpo e extração de madeira) aumentou quase dezessete vezes no primeiro quadrimestre de 2024 em comparação com o mesmo período do ano passado.

A área de degradação passou de 408 km² em 2023 para 7.340 km² em 2024, representando um aumento de 1.699%, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A entidade atribui a situação ao fenômeno El Niño, mas também ao orçamento da gestão ambiental e à ausência de fiscalização durante a paralisação dos servidores.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.