Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Descriminalização da maconha: entidades esperam novo pedido de vista

Julgamento será retomado nesta quarta-feira com o voto do ministro André Mendonça; expectativa é de mais um adiamento

Por Valmar Hupsel Filho Atualizado em 9 Maio 2024, 11h37 - Publicado em 4 mar 2024, 09h58

Entidades ligadas aos direitos individuais que acompanham de perto o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a descriminalização do porte de maconha para consumo adulto comemoram o retorno da discussão já no início deste ano, mas apostam em um novo pedido de vista e na extensão das discussões para o segundo semestre. O julgamento da ação que questiona o art. 28 da Lei das Drogas (nº 11.343/2006), que trata do transporte e armazenamento para uso pessoal, foi marcado para ser retomado na próxima quarta-feira, 6.

O Supremo está a um voto de formar maioria pela descriminalização do porte de maconha para fins pessoais. Até agora, cinco ministros — Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber — votaram a favor de deixar de ser crime o porte para uso pessoal, com diferenças pontuais em relação à quantidade permitida. Até agora, apenas Cristiano Zanin votou contra.

A discussão foi interrompida em agosto de 2023 por um pedido de vista do ministro André Mendonça, que é pastor evangélico. No Congresso Nacional, a bancada evangélica está à frente do movimento de reação à tendência apontada pelo Supremo. No final do ano passado, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, após uma reunião de líderes, apresentou uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que criminaliza o porte e a posse de qualquer quantidade de droga.

Passado o prazo de 180 dias do pedido de vista de Mendonça, entretanto, o processo foi devolvido e está novamente pronto para voltar a ser julgado. Na semana passada, o presidente da Corte incluiu a ação na pauta de julgamentos.

Continua após a publicidade

Qual é a expectativa em relação ao julgamento?

Para Cristiano Maronna, doutor em direito penal e diretor da Plataforma Justa, Mendonça deve apresentar um voto acompanhando a divergência aberta por Zanin, no sentido de manter a criminalização para qualquer quantidade de droga. E a expectativa é a de que o ministro Kassio Nunes Marques faça um novo pedido de vista.

Mendonça e Nunes Marques foram indicados ao Supremo pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. Caso isso aconteça, serão mais 180 dias de suspensão, empurrando a discussão, que se iniciou em 2015, para o segundo semestre deste ano.

Maronna esclarece que a ação proposta não pede a legalização das drogas, mas que o art. 28 deixe de ser uma norma de direito penal para ser de direito administrativo, em que as sanções previstas seriam alternativas à prisão, como advertência, prestação de serviços e cursos educacionais. “Continua sendo ilegal. só deixa de ser crime”, resume.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.