Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Comissão sobre ditadura militar trava, e governo Lula não cumpre promessa

Ministros haviam estipulado 25 de outubro, data da morte de Vladimir Herzog para recriar grupo que busca mortos e desaparecidos, mas projeto parou na Defesa

Por Valmar Hupsel Filho Atualizado em 10 Maio 2024, 08h21 - Publicado em 25 out 2023, 16h48

O governo federal não cumpriu o compromisso de recriar a Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos neste 25 de outubro, como havia prometido. O Ministério dos Direitos Humanos ainda aguarda o parecer do Ministério da Defesa, um dos documentos necessários para a reabertura do colegiado responsável por investigar as circunstâncias do desaparecimento de centenas de pessoas durante o período da ditadura militar no Brasil.

Os ministros Sílvio Almeida (Direitos Humanos e Cidadania) e Flávio Dino (Justiça e Segurança Pública) chegaram a se comprometer publicamente com a recriação da comissão, e estipularam o dia 25 de outubro, dia do assassinato do jornalista Vladimir Herzog, então diretor de jornalismo da TV Cultura, nas instalações do DOI-Codi em São Paulo, em 1975 — e, por isso, chamado de Dia da Democracia.

O Ministério da Defesa informa que o parecer está pronto, e que “a análise do mérito apontou que não há impedimentos jurídicos para a reativação do grupo”. A pasta, no entanto, não informou por que ainda não enviou o documento para o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania.

A recriação da comissão é uma promessa de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Desde o início do ano, parentes de desaparecidos têm pressionado o governo pela reinstalação da comissão, encerrada irregularmente no último dia do governo Jair Bolsonaro.

O decreto de recriação da comissão chegou a ser encaminhado para a Casa Civil, mas o órgão pediu pareceres da Justiça e da Defesa para dar seguimento ao processo. O Ministério da Justiça já encaminhou parecer favorável.

Continua após a publicidade

A medida, entretanto, encontrou resistência do ministro José Múcio (Defesa). Em uma reunião no final de setembro, Múcio externou a Almeida a preocupação de recriar a comissão, que causa arrepios nas Forças Armadas, neste momento em que dezenas de militares se vêem envolvidos em denúncias de irregularidades, inclusive de tentativa de golpe de estado. Na ocasião, Múcio teria sugerido ao colega dos Direitos Humanos a criação da comissão em momento “mais oportuno”.

Ao não reabrir os trabalhos da comissão, o governo federal descumpre decisões da Corte Interamericana dos Direitos Humanos, que determinou que a comissão deve permanecer funcionando enquanto ainda haja casos a serem investigados.

Familiares de desaparecidos na ditadura fizeram uma live nesta quarta-feira para discutir o assunto. “A Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos é essencial para seguirmos no processo de reparação, de encontro da verdade, para a justiça, para a construção da memória histórica coletiva deste país”, disse a pedagoga Ñasaindy Barrett, filha do casal de militantes Soledad Barrett Viedma e José Maria Ferreira, desaparecidos durante a ditadura.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.