Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Butantan identifica potencial antibiótico contra superbactérias

Microrganismos resistentes a remédios causam mais de 1,2 milhão de mortes por ano, segundo OMS

Por Bruno Caniato
1 out 2023, 12h39

Pesquisadores brasileiros conseguiram isolar uma molécula com potencial para eliminar as chamadas “superbactérias” – microrganismos hiper-resistentes à maioria dos antibióticos modernos. O estudo foi conduzido pelo Instituto Butantan, em São Paulo, e representa um avanço no combate a um dos maiores desafios atuais da Medicina.

A substância doderlina, identificada pelos cientistas, foi extraída de um dos micróbios que habitam normalmente o intestino humano e mostrou-se eficaz em exterminar bactérias como Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa, responsáveis por infecções nos tratos urinário, gastrointestinal e pulmonar, além de causar meningite em recém-nascidos. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que as superbactérias são responsáveis por mais de 1,2 milhão de mortes por ano e podem custar 100 trilhões de dólares à economia global até 2050.

Outra doença potencialmente tratável com a doderlina é a candidíase, infecção causada pelo fungo Candida albicans que gera inflamação e coceira nas regiões da boca e genitália, particularmente comum em pessoas com baixa imunidade, e já se mostrou resistente a alguns medicamentos antifúngicos conhecidos.

A descoberta da doderlina, segundo os pesquisadores, ocorreu após a investigação da bactéria Lactobacillus acidophilus, que faz parte da flora intestinal humana e sobrevive até hoje por conta da seleção natural. “Se esses organismos vivem na Terra há milhões de anos e mudaram muito pouco ao longo do tempo, eles têm alguma característica que os defende”, explica o cientista Pedro Ismael da Silva Junior, que coordenou o estudo conduzido no Laboratório de Toxinologia Aplicada do Instituto Butantan.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.