Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Armas de origem legal abastecem os crimes mais comuns, diz estudo

Pesquisa mostra que roubo e furto são a principal origem de armas de fogo usadas por bandidos com mais frequência

Por Tulio Kruse 26 jun 2022, 09h35

O afrouxamento das regras de posse e porte de armas no Brasil, feito por meio de decretos assinados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), tem consequência direta nos crimes cometidos à mão armada. A origem das armas de fogo que são apreendidas com mais frequência pela polícias — pistolas usadas em assaltos e assassinatos — está principalmente no mercado legal. É o que apontam uma pesquisa do Instituto Sou Da Paz, que comparou os dados de boletins de ocorrência sobre furtos e roubos de armas com dados de apreensões, além de outros estudos na área de segurança pública que corroboram as mesmas conclusões.

Entre os cinco modelos de arma mais apreendidos no estado de São Paulo, que correspondem a mais da metade do total, a principal fonte de fornecimento é o mercado legal. Segundo o instituto, “em vários casos há uma correspondência quase espelhada” entre os tipos de armas que foram perdidas e aquelas que a polícia recupera. Os dados rebatem a percepção de que a origem das armas usadas por criminosos seja o contrabando de outros países — o que é mais comum no caso de armas mais longas, como rifles, fuzis e metralhadoras, embora o mercado legal também sirva como fonte para elas.

Empresas de segurança privada, repartições públicas e as próprias residências de colecionadores, atiradores e caçadores (os CACs) são, nessa ordem, os locais onde ocorrem com mais frequências os furtos e roubos que abastecem o crime, diz a pesquisa. Em geral, criminosos miram em lugares que concentram número maior de armas.

“Os casos analisados mostram que é comum que tão logo a arma seja retirada do proprietário legal, ela já comece a ser empregada no crime, às vezes no mesmo dia”, diz o texto do estudo “Desvio Fatal”. Entre os dados que contribuem para essa conclusão está o fato de que, em mais da metade das apreensões, as armas são recuperadas a uma distância de até 20 quilômetros do local do desvio e, em 32% dos casos, a menos de 10 quilômetros. Mais da metade dos casos em que as armas são recuperadas ocorre em até um ano após o dono comunicar que teve a arma furtada ou roubada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.