Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A reação de Joe Biden à ameaça de Maduro de invadir a Guiana

Presidente americano mobilizou comandantes militares para ajudar vizinho da Venezuela

Por Valmar Hupsel Filho Atualizado em 9 Maio 2024, 18h51 - Publicado em 1 dez 2023, 14h29

A ameaça do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de invadir e anexar mais da metade da vizinha Guiana, que escalou nas últimas semanas, fez com que pequeno país sul-americano de 804.000 militantes batesse às portas de vários aliados de peso para pedir ajuda.

Uma das portas nas quais o presidente guianense, Mohamed Irfaan Ali, bateu foi a da Casa Branca. Seu pedido de ajuda já obteve guarida. O presidente americano, Joe Biden, enviou à Guiana chefes do Comando Sul das Forças Armadas americanas para planejar a defesa do país.

O Comando Sul, que fica sediado na Flórida e é liderado por um comandante quatro estrelas, é a organização responsável por planejar operações e planos de cooperação para garantir a segurança na América Central e do Sul e Caribe em questões que ameaçam os interesses americanos.

Outro que se movimenta é o presidente francês Emmanuel Macron. Autoridades militares da Guiana Francesa, um departamento ultramarino da França – e, portanto, sob a jurisdição do país europeu –, também se reuniram com seus colegas da Guiana para externar o “compromisso inabalável com a paz e a segurança na Guiana e em toda a região”.

Irfaan Ali também ligou no último dia 9 para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é aliado de Maduro, para pedir a sua intervenção. Na semana passada, o brasileiro mandou o ex-chanceler Celso Amorim, principal assessor da Presidência da República para assuntos internacionais, para um encontro com Maduro em Caracas.

Continua após a publicidade

Caso a ameaça de invasão se concretize, a Guiana vai de fato precisar de muita ajuda. O pequeno país tem hoje apenas 4.000 soldados na ativa. Já Maduro dispõe de um exército oficial de 109.000 homens, além de um estimado contingente de 220.000 combatentes em forças paramilitares .

Maduro não recua

Nesta sexta-feira, 1, a Corte Internacional de Justiça, em Haia, proibiu a Venezuela de invadir a Guiana. Até agora, nada adiantou. Maduro continua participando ativamente de atos públicos – com militares, estudantes e movimentos sociais simpatizantes do chavismo – para pedir mobilização para o referendo que ele convocou para o domingo, 3, que dirá se a Venezuela deve ou não seguir em frente na reivindicação de mais de 60% do território do país vizinho.

Guiana
(./.)

A reivindicação territorial da Venezuela não é nova, mas ganhou escala nos últimos dias em razão de dois fatores: a proximidade das eleições no país, em 2024, e o boom econômico do vizinho na esteira do avanço da exploração de petróleo na região, cujo potencial ultrapassa 11 bilhões de barris.  O petróleo fez com que a economia do país quadruplicasse nos últimos cinco anos. No ano passado, o crescimento do PIB de 62% foi o maior do mundo, segundo o Fundo Monetário Internacional.

Guiana
(./.)

Cobiça por petróleo

O alvo da cobiça é a região de Essequibo, uma área de 160 mil quilômetros quadrados formada em sua maioria por uma densa floresta cortada por rios caudalosos, que faz fronteira com Roraima e que representa dois terços do território da Guiana (veja mapa nesta página). A posse da região foi concedida em 1899 à Guiana, à época uma colônia inglesa, por meio de arbitragem feita pelos Estados Unidos. A Venezuela questiona desde então a decisão e, em 1966, chegou a firmar um acordo com a Inglaterra, que reconhecia como nulo o Laudo Arbitral. Naquele mesmo ano, no entanto, a Guiana conquistou a independência, o que na prática manteve o acordo em suspenso até hoje.

Reportagem de VEJA desta semana mostra como a movimentação de Maduro virou um grande problema para Lula, que é o principal aliado na região do regime chavista.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.