Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A empolgação bolsonarista com a compra do Twitter por Elon Musk

Presidente, filhos e deputados comemoraram o negócio bilionário pela promessa de liberdade de expressão irrestrita

Por Da Redação Atualizado em 26 abr 2022, 15h50 - Publicado em 26 abr 2022, 11h37

Com a promessa de defender a liberdade de expressão acima de tudo, a compra do Twitter pelo bilionário Elon Musk provocou reações positivas do bolsonarismo na rede social, que vez ou outra suspende uma conta ou marca um tuíte do grupo por divulgar informações falsas ou atacar instituições democráticas.

A começar pelo próprio presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). Em sua conta oficial, ele retuitou um post de Musk que diz “eu espero que até meus maiores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que liberdade de expressão significa”. Depois, elogiou uma notícia que ensina o usuário a excluir a conta no Twitter caso não queira permanecer no site comprado pelo bilionário.

Os filhos do presidente também comemoram a aquisição desde a tarde de ontem. O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) expressaram na rede social o contentamento com o negócio e afirmaram que ganharam mais seguidores do que o habitual a partir do anúncio. “Era fato que o algoritmo anterior sabotava as contas”, disse o senador, apesar da compra de Musk ainda não ter sido concluída.

“Elon Musk não censurou ninguém. Pelo contrário, vários estão voltando para o Twitter. Mas bastou o novo dono prometer liberdade de expressão que alguns já se vão. A esquerda não aguentaria um dia de direita”, provocou Eduardo.

Continua após a publicidade

Fora da família, a euforia se estendeu a perfis como o da deputada Carla Zambelli (PL-SP) e do ex-secretário de Cultura Mário Frias (PL-SP). “A velocidade do crescimento de seguidores de hoje no meu Twitter é diretamente proporcional ao crime de censura de ontem. Estou sentindo cheiro de liberdade!”, tuitou Frias.

Zambelli, por sua vez, ironizou a “esquerda”, que criticou a compra da plataforma, e ressaltou a valorização das ações do Twitter. “Quem não lacra lucra”, escreveu.

A expectativa dos bolsonaristas é que o novo dono do Twitter libere contas como a do blogueiro Allan dos Santos, banido da plataforma por decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)