Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Letra de Médico

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Vacinas bivalentes são seguras. E vacinação é a melhor arma contra Covid

Dados dos estudos de segurança demonstraram um adequado perfil de tolerabilidade, com reações semelhantes às doses das vacinas monovalentes

Por Renato Kfouri
27 fev 2023, 17h47

Chegou a segunda geração de vacinas Covid-19. Adaptadas à nova circulação do coronavírus, as vacinas bivalentes, daqui para frente, devem substituir as originais nas doses de reforço. Com o grande distanciamento genético que o vírus sofreu, desde seu aparecimento em
Wuhan, na China, no final de 2019, especialmente após a chegada da variante ômicron, houve uma significativa perda de efetividade das vacinas, principalmente em indivíduos mais vulneráveis.

Como o surgimento de variantes era mais frequente, tornava-se impossível produzir uma nova vacina e disponibilizá-la para a população antes do surgimento da próxima. Mas, depois da ômicron, em novembro de 2021, já não tivemos mais novas variantes, somente subvariantes, o que nos permitiu atualizarmos a vacina.

Os estudos demonstraram que se mantivéssemos a configuração original do vírus na vacina, associada à ômicron, e criássemos, portanto, uma vacina dupla, bivalente, os resultados de proteção seriam bem maiores comparados a uma vacina exclusiva da ômicron.

Importante ressaltar que os dados dos estudos de segurança das vacinas bivalentes demonstraram um adequado perfil de tolerabilidade, com reações semelhantes às doses das vacinas monovalentes.

Até o momento, as únicas vacinas bivalentes licenciadas no mundo são as que usam a plataforma de RNA mensageiro, dos laboratórios Moderna e Pfizer, indicadas como dose de reforço, somente para quem recebeu, pelo menos, duas doses de qualquer vacina monovalente. Embora, em alguns países ela já comece a ser aplicada também em quem inicia o esquema vacinal.

Continua após a publicidade

É importante ressaltar que, neste momento, a vacinação que começa nesta segunda-feira, 27, no Brasil, será destinada somente para os grupos mais vulneráveis: idosos, gestantes, pessoas com comorbidades, além dos profissionais da saúde. Para a população em geral, até o momento, não há evidências da necessidade de revacinação, porém, vale enfatizar que o cumprimento do esquema vacinal mínimo para a idade, incluindo as crianças a partir de seis meses de vida, continua sendo fundamental para a prevenção das formas graves da doença, evitando hospitalizações e mortes.

Neste momento, não há melhor ferramenta para a prevenção da doença e suas complicações, que uma vacinação completa de toda a população.

Letra de Médico - Renato Kfouri
(./Divulgação)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.