Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Letra de Médico Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Cirurgia plástica em crianças e adolescentes: quando é necessário?

Se há impacto real na vida do jovem, seja em casos de bullying ou de alterações funcionais, intervenções estéticas podem ser indicadas

Por Matheus Manica*
Atualizado em 14 Maio 2024, 00h26 - Publicado em 6 jul 2023, 09h01

Em maio deste ano, o governo do Mato Grosso do Sul lançou uma política polêmica. Para combater o bullying, uma série de cirurgias plásticas incluindo correção de orelhas de abano, estrabismo e retiradas da mamas passaram a ser ofertadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no estado. O ponto é o público-alvo, crianças e adolescentes que sofrem com essa discriminação.

A implementação desse programa levantou várias questões, sendo a principal se, de fato, crianças e adolescentes podem se submeter a esse tipo de cirurgia. A discussão parece ter ficado presa nesse ponto, ignorando que existem casos em que há recomendação clínica para algumas correções.

Um exemplo que muitos já conhecem está ligado ao tamanho das mamas. Em alguns casos, jovens apresentam seios volumosos que não condizem com sua estrutura física, trazendo complicações secundárias como excesso de pressão na coluna causado pelo peso.

Certa vez atendi uma paciente de 13 anos que pesava 40 quilos. Ela sofria com o excesso de mamas, que passavam de sua cintura, e impedia que ela usasse roupas normais para sua idade, além de atrapalhar a prática de exercícios físicos. Na cirurgia foi possível reduzir quatro quilos de tecido mamário. Isso trouxe bem mais do que a melhora na aparência. Para além de uma mama mais bonita, a cirurgia impactou na vida dela. Esse é o real benefício de uma cirurgia estética.

Outros casos podem demandar cirurgias reparadoras. Por exemplo, algumas condições como o prognatismo e o retrognatismo. As duas referem-se a alterações no crescimento da mandíbula, que projetam o queixo para frente e para trás, respectivamente. Essas condições têm um efeito estético que é justamente a posição do queixo, mas também pode trazer problemas respiratórios, incluindo apneia.

Continua após a publicidade

E o efeito positivo das cirurgias em jovens não inclui somente as cirurgias reparadoras. Uma criança com a chamada “orelha de abano” que sofre com bullying pode ter uma redução no seu rendimento escolar. Embora não traga problemas funcionais, lidar com essa alteração pode colaborar para a melhora da vida da criança.

Conclusão: se a criança ou o adolescente convive com uma alteração física que é passível de melhora e que impactaria na qualidade de vida, a cirurgia é bem indicada.

*Matheus Manica é cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.