Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Informação e análise
Continua após publicidade

O lado menos visível do fiasco na pandemia

Pobreza e fome avançam: descontrole na gestão da pandemia degrada a estrutura social brasileira em ritmo muito mais acelerado do que o avanço da Covid-19

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 Maio 2021, 09h06 - Publicado em 15 Maio 2021, 09h00

Em agosto do ano passado, o Brasil mantinha 9,5 milhões de pessoas vivendo na extrema pobreza, segundo a Fundação Getulio Vargas.

Na época, contavam-se 121 mil mortos na pandemia.

Seis meses depois, o número de pessoas na linha de pobreza havia aumentado 184%. Somou 27 milhões, calculou a FGV em fevereiro.

A mortandade avançou 110% nesse período, chegou a 221 mil vítimas no início da segunda “onda” pandêmica, que ainda não terminou.

Os dados sugerem que o descontrole na gestão da pandemia está degradando a estrutura social brasileira num ritmo muito mais acelerado do que o avanço da Covid-19.

Significa que o país estará muito mais fragilizado quando acabar a pandemia. Principalmente, no Norte e  no Nordeste, onde se vivem 70 milhões dos 212 milhões de brasileiros.

Continua após a publicidade

Antes da pandemia, um de cada quatro habitantes dessas regiões sobrevivia com renda média inferior a R$ 260,00 por mês — equivalente a um quarto do salário mínimo.

A inflação dos alimentos agravou esse quadro. Nos doze meses contados até março, os preços dos produtos alimentícios subiu 11,7%, tendo-se como referência o Índice de Preços ao Consumidor (IPC).

O impacto na renda domiciliar é grande para ampla maioria, porque gastos com alimentação consomem cerca de 60% dos orçamentos das famílias.

Comida cara e mais escassa no prato reflete o descontrole na gestão da pandemia, com falência do sistema de saúde combinada à falta de política estável para mitigação dos efeitos sócio-econômicos.

O feijão-com-arroz, básico na mesa brasileira, é caso exemplar. A saca de arroz custava em média R$ 62,00 em julho do ano passado e agora não é vendida por menos de R$ 85. O feijão estava no patamar de R$ 300 e subiu para R$ 350.

Continua após a publicidade

Nessa etapa de pandemia, escassez e preços altos, seria natural a atuação do Estado como regulador do mercado. Foi precisamente para isso que há três décadas, no governo Fernando Henrique, criou-se a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) com a função de formar estoques reguladores de alimentos básicos, em parte comprados de pequenos produtores.

A Conab virou item de negociação no loteamento partidário de sucessivos governos — na versão atual, o  bolsonarismo chama isso de “acordo” com o Centrão.

A Conab perdeu 27 armazéns, mas permanece no mapa das empresas estatais.

Esvaiu-se na função de reguladora de estoques. Na última década, os estoques de alimentos do setor público foram reduzidos em 96% (média anual).

Esse organismo público, instituído para mitigar efeitos de grandes oscilações de preços no mercado de alimentos, começou o segundo ano da pandemia sem feijão e com uma ínfima porção de arroz (21,1 mil sacas) nos seus depósitos, mostrou ontem o repórter Claudio Conceição, do portal Ibre-FGV.

Continua após a publicidade

O avanço da fome entre os mais pobres está semi-oculto. Por enquanto, é o resultado menos visível do fiasco administrativo na pandemia. No Senado há quem aposte que, adiante, o assunto vai emergir na agenda da CPI da Pandemia. E será tema inevitável nas eleições do próximo ano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.