Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Governadores fazem caixa para influenciar nas eleições

Equilíbrio das contas é desafio: receitas caíram 19,5% e gastos com pessoal aumentaram 21,2% nos primeiros quatro meses

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 Maio 2024, 00h10 - Publicado em 20 jul 2023, 12h45

Governadores começaram o segundo semestre à procura de alternativas para uma equação política difícil: fazer caixa para influenciar na atual fase de organização das disputas eleitorais em 5.570 prefeituras, no ano que vem.

As receitas caíram nos primeiros quatro meses do ano. Na arrecadação do principal tributo estadual, o ICMS, houve redução de 19,5% (já descontada a inflação) — estima a Instituição Fiscal Independente (IFI), vinculada ao Senado.

Ao mesmo tempo, os gastos cresceram 9,2% na média nacional. O motor foram as despesas com pessoal, que aumentaram significativamente (21,2%) em relação aos primeiros quatro meses do ano passado. É efeito dos reajuste salariais aos servidores, parcialmente suspensos durante o ciclo da pandemia (2020-2022).

O poder de influência dos governadores nas eleições municipais depende, basicamente, da capacidade do Estado para financiamento de obras nas cidades. Por isso, torna-se relevante um mínimo de equilíbrio nas contas estaduais neste semestre, época de preparação das campanhas nos municípios.

Continua após a publicidade

O problema é recorrente, e para ele não existe fórmula mágica. As saídas são as mesmas de sempre na gerência do caixa: redução de despesas, mais endividamento ou maior tributação.

O custo é alto, em qualquer caso. Porém, nem sempre visível de imediato para o público. Por isso, alguns governadores começaram a aumentar o percentual de ICMS, de forma seletiva, sobre produtos e serviços de consumo intensivo. A confusão e a falta de transparência no sistema tributário ajudam a dissimular os reajustes nas alíquotas, sem grande risco de exposição ao eleitor que sempre paga a conta.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.