Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Informação e análise
Continua após publicidade

EUA mudam política antidrogas para avançar na indústria da maconha

Em mudança histórica, governo quer reclassificar maconha como droga de baixo risco, do mesmo nível de anestésicos, anabolizantes e testosterona

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 15h18 - Publicado em 1 Maio 2024, 08h00

Os Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira (30/4) uma mudança histórica na política sobre drogas.

O procurador-geral Merrick Brian Garland recomendou à Casa Branca a flexibilização das restrições à maconha.

Ele teve apoio do Departamento de Justiça, de órgãos federais de saúde e, também, da agência de repressão ao tráfico de drogas, conhecida como DEA (sigla em inglês).

Garland propôs a reclassificação da maconha. Passaria a ser considerada droga de baixo risco, do mesmo nível de medicamentos anestésicos como ketamina, os anabolizantes e a testosterona.

Se aprovada pelo governo Joe Biden, a consequência prática dessa reclassificação será incentivo o plantio e a produção legalizada de derivados da planta para uso em quase toda a base industrial — farmacêutica, têxtil e embalagens, por exemplo.

Continua após a publicidade

A flexibilização é parte de um jogo econômico relevante.

Os EUA têm avançado no domínio da pesquisa, fabricação e comércio mundial de medicamentos à base de maconha, indicados no tratamento de esclerose múltipla, epilepsia, diabetes, AVC, câncer terminal, autismo, doenças de Parkinson e Alzheimer, entre outros.

Há dois anos, o Congresso americano iniciou um debate sobre a abertura do sistema financeiro às empresas legalizadas no cultivo, comércio e industrialização da maconha.

Análises prospectivas, como as da New Frontier Data, sugerem o nascimento de um parque industrial especializado no processamento de maconha dentro dos EUA, na próxima década, com um milhão de empregados e pagamento anual de 132 bilhões de dólares em impostos.

Continua após a publicidade

Em 39 Estados americanos e na capital já existem programas legalizados para maconha de uso medicinal e em 24 permite-se uso recreativo. Em três Estados que legalizaram o uso (Colorado, Washington e Oregon), segundo a New Frontier, a arrecadação anual de tributos já supera 1,3 bilhão de dólares anuais.

Outro efeito da legalização gradativa nos Estados Unidos é o impacto negativo sobre os negócios dos cartéis de drogas. Os preços despencaram no mercado clandestino. Na média, o tráfico de maconha do México para cidades americanas está reduzido a 20% do que era na década anterior, indicam os dados alfandegários.

Enquanto os EUA avançam na criação de uma nova fronteira de negócios, para garantir hegemonia no mercado mundial, no Brasil o debate patina no obscurantismo político.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.