Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

EUA avisam Lula: pressão contra ditadura da Venezuela vai aumentar

Governo Biden decidiu esperar até abril para Maduro fixar a data de eleições livres, limpas e com plena participação da oposição

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 10h09 - Publicado em 21 fev 2024, 08h00

Lula encontra-se hoje com Antony Blinken, secretário de Estado dos Estados Unidos, cuja família foi vítima da engenharia nazista para extermínio de judeus na Alemanha de Hitler.

Lula vai presidir a reunião do grupo dos 20 países mais industrializados, o G20, e na agenda com Blinken constam as guerras de Israel contra o Hamas e a da Rússia contra a Ucrânia. Os impasses com a Venezuela, porém, devem tomar mais tempo.

Sob estímulo dos EUA, Lula resolveu atuar. E, por enquanto, conseguiu manter a cleptocracia comandada pelo ditador venezuelano Nicolás Maduro no limite da retórica belicista contra a Guiana.

Foi auxiliado pelo realismo político: o regime ditatorial não tem meios para enfrentar os EUA, que transformou a Guiana em zona de interesse militar. Tentou mas, por enquanto, não conseguiu patrocínio financeiro da China ou da Rússia necessário à preparação de uma eventual aventura militar no Caribe.

Continua após a publicidade

Para o Brasil e os EUA, o problema central da Venezuela continua sendo a relutância do condomínio de cleptocratas sobre compromissos assumidos para a realização de eleições livres e limpas ainda neste ano, com garantia de participação da oposição ao regime ditatorial.

O regime ditatorial decidiu impedir todos os candidatos viáveis para a oposição competir, e, principalmente, a liberal María Corina Machado que levou 92% dos votos preferenciais nas prévias oposicionistas, realizadas com a participação de três milhões de eleitores.

O governo Biden decidiu esperar até abril. Estabeleceu esse limite no calendário para Maduro fixar a data das eleições, com plena participação da oposição.

Continua após a publicidade

Lula sabe e vai ouvir de Blinken a renovação de um apelo para conversar com Maduro sobre o prazo, com base em compromissos assumidos em longas negociações no ano passado.

Na conversa, o secretário americano deve indicar um cenário econômico nem um pouco favorável ao regime venezuelano, caso mantenha indefinição sobre as eleições. Não haverá apenas pressão à moda antiga, com sanções a indivíduos e empresas.

Estão previstas algumas novidades, em ofensivas com direção ajustada para ampliar a asfixia econômica da cleptocracia. Por exemplo, sobre o patrimônio da estatal PDVSA nos Estados Unidos, incluída a refinaria Citgo Petroleum Corp., único ativo valioso que a Venezuela ainda possui no exterior.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.