Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Esquerda contempla avanço de projetos da extrema direita na Câmara

Entre a inércia e a perplexidade, partidos de esquerda até concordam com parte das propostas de aliados de Jair Bolsonaro, que avançam sem oposição

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 6 jun 2024, 08h32 - Publicado em 6 jun 2024, 08h00

Os partidos de esquerda contemplam o avanço do domínio da extrema direita na Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante da Câmara. Entre a inércia e a perplexidade, até concordam com alguns fundamentos das propostas.

Aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro, agrupados no Partido Liberal, investiram com êxito na negociação com bancadas da centro-direita para aprovação de duas propostas. Praticamente, sem oposição.

Numa delas, prevêem terminar o semestre legislativo com o aval da comissão a uma anistia ampla geral e irrestrita a todos que “participaram ou apoiaram por quaisquer meios” da frustada tentativa de golpe de estado a partir da derrota de Bolsonaro nas urnas, no dia 30 de outubro de 2022.

A anistia valeria para a insurreição de 8 de janeiro e todos os delitos políticos correlatos até o dia de início de vigência da eventual lei.

Esse projeto foi previamente submetido a Bolsonaro pela presidente da comissão, Caroline De Toni, do Partido Liberal de Santa Catarina. Combinaram a escolha do relator, o deputado Rodrigo Valadares, do União Brasil de Sergipe.

Continua após a publicidade

Inelegível até 2023, por decisão da Justiça Eleitoral, Bolsonaro é o principal beneficiário dessa iniciativa legislativa.

Um outro projeto que a bancada de extrema direita fez avançar na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara impõe uma mordaça ao Supremo Tribunal Federal e retira o direito de qualquer pessoa recorrer à Justiça com uma ação direta de inconstitucionalidade por omissão.

Impede que o STF analise, discuta ou julgue questões tratadas nos últimos cinco anos “em qualquer fase da tramitação ou após votação” no Congresso Nacional.

Na Câmara, por exemplo, contavam-se 166.793 propostas em andamento no final do expediente de quarta-feira.

Continua após a publicidade

Relator do projeto, deputado Gilson Marques, do Novo de Santa Catarina, argumentou sobre aborto para explicar como seria, na sua visão, a aplicação da eventual lei: “O aborto, hoje, é definido em lei. Existem várias propostas em tramitação aqui na Casa para alterar o que já está definido. O STF não pode — simplesmente não pode — julgar sobre aborto. Por quê? Porque já existe legislação específica e já existem tramitando diversas propostas na Câmara, embora não sejam definidas (votadas). Isso ocorre porque existe uma decisão consciente desta Casa em não decidir. E essa decisão consciente de não decidir e de manter o processo na pauta (de votação) significa que a população não aceita essa nova decisão. É simplesmente isso.”

Muito além do conflito aberto com o Judiciário, especialmente o STF, e da lógica dos radicais da direita parlamentar, chama a atenção a rarefeita reação dos partidos de esquerda no plenário da comissão mais relevante da Câmara. E, mais ainda, a convergência de opiniões em alguns aspectos fundamentais.

“Devemos discutir o ativismo judicial”, concordou, por exemplo, o líder do Partido Comunista do Brasil, Orlando Silva. “Devemos discutir o papel dos Poderes e o que fazer para que haja harmonia entre eles, cada um no seu quadrado. Cabe, sim, uma reflexão sobre ativismo judicial.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.