Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Congresso avança na disputa de poder com o Supremo

Decisão de 42 segundos em comissão do Senado mostra a liquefação, pela desfuncionalidade, de um sistema de organização dos Poderes desenhado há 35 anos

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 out 2023, 11h41 - Publicado em 5 out 2023, 09h00

Quarenta e dois segundos. É quanto se gasta para beber um copo d’água, ou para um atleta, como o sul-africano Wayde van Niekerk,  tornar-se recordista na pista olímpica de 400 metros.

Foi esse o tempo usado pelo senador Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, para aprovar uma proposta de emenda constitucional que limita decisões monocráticas e pedidos de vista em tribunais superiores.

O alvo é o Supremo Tribunal Federal, mas a manobra é inócua: dez meses atrás o STF mudou as regras internas sobre forma e o prazo das individuais dos onze juízes.

A decisão da comissão mais importante do Senado emoldura a disputa de poder do Legislativo com o Judiciário. A pressa de Alcolumbre tem mais a ver com sua campanha interna pela presidência da Casa em fevereiro de 2025.

Mostra a liquefação, pela desfuncionalidade, de um sistema de organização dos Poderes desenhado na Constituição promulgada numa quinta-feira 5 de outubro, na primavera de 35 anos atrás.

Continua após a publicidade

O Congresso, o governo e o Judiciário já não constroem soluções políticas para os conflitos que criam diariamente.

O parlamentar ou o partido derrotado em votação no plenário recorre ao Supremo. São responsáveis por mais de 40% das ações judiciais questionando a constitucionalidade parcial ou total de normas aprovadas na Câmara ou no Senado.

O Legislativo produz normas em quantidade. Já fez 131 emendas à Constituição, algumas reformando capítulos inteiros. Nos últimos 63 dias aprovou três novas emendas.

A produção legislativa tem-se destacado pela má qualidade. Sete de cada dez leis aprovadas entre 2007 e 2022 acabaram anuladas — no todo ou em parte — pelo STF, porque prejudicavam os direitos constitucionais dos 208 milhões de brasileiros.

Continua após a publicidade

A situação se agrava. Somente nos últimos cinco anos foram abolidas 1.101 legislações julgadas inconstitucionais. Em comparação, no quinquênio anterior haviam sido 181. Houve um crescimento exponencial (508%), informa o Anuário da Justiça.

Amplia-se, também, o tumulto nas finanças públicas, porque o governo transformou o Judiciário em gerente do seu caixa: transferiu-lhe a decisão sobre seus conflitos na gestão fiscal, numa federação já atolada em 36 mil normas tributárias federais, 147 mil estaduais e 260 mil municipais.

O Judiciário, sobretudo o Supremo, mantém-se prisioneiro da incapacidade de explicar à sociedade decisões essencialmente contraditórias em processos políticos relevantes, e com juízes criando as próprias regras e limites — definindo, inclusive, se têm limites.

A crise está aí. Sua duração e desfecho são imprevisíveis. Se alguma certeza é possível é a de que esse processo de liquefação política— com episódios de quarenta e dois segundos de duração —, encerra um ciclo de poder da sociedade sobre o Estado esboçado 35 atrás na “Constituição Cidadã”, coordenada por Ulysses Guimarães.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.