Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

A crise de Arthur Lira e Ciro Nogueira atinge Bolsonaro

Presidente da Câmara e chefe da Casa Cvil estão no centro de investigações que sinalizam crise no governo e na campanha de Bolsonaro

Por José Casado Atualizado em 9 abr 2022, 09h38 - Publicado em 9 abr 2022, 08h00

Dois dos personagens mais influentes no governo e na campanha de Jair Bolsonaro terminaram a semana enredados em estranhas transações.

Arthur Lira, presidente da Câmara, por ter atuado em negócio de R$ 26 milhões do Ministério da Educação para distribuição de kits educacionais a prefeituras de sua base eleitoral em Alagoas.

O governo comprou o material de ensino de construção de robôs de uma empresa de aliados de Lira. Pagou um alto preço (R$ 14 mil por unidade), cinco vezes mais que a Prefeitura de São Paulo, revelou o repórter Paulo Saldaña, na Folha. Os modelos de robôs foram destinados a pequenas cidades alagoanas com escolas públicas abandonadas, inacabadas, sem acesso a água potável, computadores ou mesmo rede de internet.

Quem pagou pelos kit de robótica foi o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. O FNDE está sob investigação preliminar no Senado, que pode evoluir para uma comissão parlamentar de inquérito.

Esse fundo tem orçamento de R$ 54 bilhões e um histórico de manipulações políticas.

Entre os casos suspeitos mais recentes estão a aplicação de verbas públicas com corretagem privada de pastores evangélicos e, também, tentativa de fraude em compras de ônibus escolares. Em 2019 impediu-se uma licitação de R$ 3 bilhões para aquisição de notebooks. Numa única escola em Minas cada um dos 255 estudantes receberia 117 laptops.

O fundo do Ministério da Educação é presidido por Marcelo Pontes, ex-chefe de gabinete do ministro Ciro Nogueira, da Casa Civil.

O dinheiro usado na compra dos kits escolares de robótica chegou ao FNDE por emendas orçamentárias obscuras feitas no Congresso.

Elas somaram R$ 33 bilhões nos últimos 15 meses, compondo um orçamento paralelo sem transparência.

Na Câmara é reconhecido papel de Lira no controle e na distribuição dessas emendas entre parlamentares aliados do governo.

O presidente da Câmara e o chefe da Casa Civil partilham o controle do Partido Progressistas.

Continua após a publicidade

O PP divide com o Partido Liberal, de Valdemar Costa Neto, a liderança do Centrão, agrupamento partidário que sustenta Bolsonaro no Congresso. O PL abriga a candidatura de Bolsonaro à reeleição.

Ontem, o chefe da Casa Civil de Bolsonaro foi acusado pela Polícia Federal, em documento apresentado ao Supremo Tribunal Federal, de ter recebido propina de uma empresa privada em 2014, para apoiar a reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores.

Ciro Nogueira, que já era senador pelo Piauí e presidente do Progressistas, teria recebido R$ 5 milhões do frigorífico JBS, em doações eleitorais oficiais, em malas de dinheiro vivo e em repasse direto a um supermercado da sua família em Teresina.

O ministro e o presidente da Câmara têm peso específico não apenas nas decisões de governo mas, principalmente, no rumo da campanha de Bolsonaro.

Agora, ambos estão no centro de múltiplas investigações — do Senado, da Polícia Federal, do Tribunal de Contas e, também do Supremo no caso do orçamento paralelo. Eles negam tudo.

No conjunto, elas sinalizam crise no governo e na campanha de Bolsonaro. Os episódios do fundo da Educação, por exemplo, têm potencial para comprometer a liderança do presidente da Câmara e atingir parte do Centrão, a base parlamentar governista. A suspeita de corrupção sobre o chefe da Casa Civil cria instabilidade no centro do governo e da campanha de reeleição presidencial.

Bolsonaro demonstra preocupação. Tenta impedir uma CPI no Senado, ao mesmo tempo em que endereça a crise e tenta restringi-la ao Congresso: “Vai botar a culpa em mim? Suspeita de corrupção [no fundo do MEC]? Não tenho nada a ver com isso, o orçamento aqui, quem dá destino é o relator do orçamento, é o cara mais poderoso que eu, tem mais dinheiro” — disse na noite de quinta-feira.

O problema é que esse orçamento paralelo é resultado de um acordo entre Bolsonaro, Arthur Lira, Ciro Nogueira e Valdemar Costa Neto.

Bolsonaro entregou-lhes uma fatia do orçamento federal e a gestão do governo, incluída a Casa Civil.

Ganhou a estabilidade que não possuía nos primeiros dois anos de mandato. E garantiu condições básica para sua candidatura — inclusive um partido, o PL, com direito a escolher candidatos em alguns colégios eleitorais que considera estratégicos.

Bolsonaro tem direito a se queixar de tudo, menos de tédio na sua campanha de reeleição.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês