Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Hoje é um bom dia para ver (ou rever)… Amnésia

Por Isabela Boscov Atualizado em 30 jul 2020, 22h40 - Publicado em 20 Maio 2016, 19h30

Mesmo quando seus filmes eram pequenos, Christopher Nolan já tinha grandes ideias

Velhos tempos aqueles em que Guy Pearce ainda era o cara de Priscilla, a Rainha do Deserto e Chris Nolan era um jovem cineasta independente que não conseguia levantar nem 5 milhões de dólares para completar seu orçamento: os estúdios aos quais ele ofereceu Amnésia (que está dando sopa lá no Netflix) acharam a história tão extravagante que até essa quantia, minúscula para os padrões americanos de produção, foi considerada um risco alto demais. É aquele mesmo caso do executivo de gravadora que achou que os Beatles não tinham futuro: santo erro de cálculo, Batman! Os produtores que fecharam a porta na cara de Nolan não só perderam a chance de ganhar dinheiro com o próprio Amnésia como, quando se olham no espelho, têm de lembrar que não foram capazes de perceber que ali estava um talento especial, que dentro de poucos anos seria conhecido como o diretor de Interestelar, A Origem e da trilogia Cavaleiro das Trevas. E foi exatamente em cima de Amnésia que Nolan construiu a reputação que lhe traria essas oportunidades.

Divulgação

Mas dê-se um desconto à miopia deles: contado de trás para a frente, em ciclos que sempre se sobrepõem um pouquinho ao que já foi visto antes, Amnésia é, no papel, uma proposição complicada. Mas o roteiro e a direção cristalinos de Nolan (que se baseou num conto escrito por seu irmão Joseph) e a atuação ultraprecisa de Pearce – tão nítida que parece cortada a diamante – tornam o filme fluente, prazeroso e invariavelmente surpreendente. Curiosidade: os dois outros papeis mais importantes são desempenhados por Carrie-Anne Moss e Joe Pantoliano, que no ano anterior haviam sido colegas de cena em Matrix.

Leia a seguir a resenha que publiquei quando o filme foi lançado em circuito no Brasil:

Continua após a publicidade


Ordem inversa

Contado de trás para a frente, o suspense Amnésia injeta ânimo novo no filme noir

Divulgação

Logo na abertura de Amnésia já dá para sentir que há algo estranho acontecendo. Um homem segura uma polaróide na mão, à espera de que a imagem apareça. Mas, ao invés de ficar nítida, a foto escurece cada vez mais. Demora até o espectador perceber que a cena está correndo de trás para a frente. É bom, no entanto, se acostumar: nesse excelente suspense, tudo anda ao contrário. A idéia não é torturar a platéia, e sim colocá-la em situação idêntica à do protagonista – um homem que, devido a um acidente, perdeu a capacidade de reter suas lembranças. A cada minuto, Leonard Shelby (o australiano Guy Pearce) esquece o que se passou no instante anterior. Já seria suficientemente complicado se Leonard tivesse alguém em quem confiar. Mas sua angústia é agravada pela solidão e pela tarefa insana a que ele se propôs: vingar-se de quem matou sua mulher na mesma ocasião em que ele contraiu o estranho distúrbio.

Divulgação

Na tentativa de reconstruir tudo o que se passou desde esse momento, Leonard tatua mensagens no próprio corpo, endereça bilhetes a si mesmo, tira fotos das pessoas que o cercam e nelas faz anotações – do tipo “confie nela”, ou “não acredite em nada do que ele diz”. Mais engenhosa ainda é a abordagem do diretor, o inglês Chris Nolan. Depois de mostrar cada cena, ele volta a um ponto ligeiramente anterior para revelar que nada do que se acabou de ver é exatamente o que Leonard (ou a platéia) imagina. É um festival de pistas falsas e reviravoltas, que exige o máximo de atenção. Mas é tão bom que já se converteu no sucesso-surpresa deste ano – para desgraça de todos os grandes estúdios, que recusaram os modestos 4,5 milhões de dólares requisitados pelo diretor independente para tocar o projeto. Perderam a chance de abiscoitar uma produção que, além de renovar um gênero tão esgotado quanto o filme noir, é uma peça impecável de relojoaria. De quebra, Amnésia convida a algo raro no cinema de hoje: reflexão. No caso, sobre como as pessoas são o que lembram – e sobre como lembram apenas aquilo que escolhem lembrar.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 29/08/2001
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2001

AMNÉSIA
(Memento)
Estados Unidos, 2000
Direção: Christopher Nolan
Com Guy Pearce, Carrie-Anne Moss, Joe Pantoliano, Mark Boone Junior, Stephen Tobolowsky, Jorja Fox, Callum Keith Rennie

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês