Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Isabela Boscov

Por Coluna
Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Conteúdo para assinantes
Continua após publicidade

Engraçado, cortante e devastador: o formidável sul-coreano ‘Parasita’

Do diretor Joon-ho Bong, filme é candidato sério ao Oscar — aquele tipo de cinema tão superlativo que nada afeta sua tradução

Por Isabela Boscov Atualizado em 4 jun 2024, 15h11 - Publicado em 8 nov 2019, 06h00

Pânico no lar: a vizinha de cima colocou senha no wi-fi, e agora Ki-taek Kim (Kang-ho Song), sua mulher e seu casal de filhos estão sem internet e sem WhatsApp. Andando pelo apartamento meio enterrado no subsolo com os celulares erguidos acima da cabeça, à procura de sinal, Ki-­woo (Woo-sik Choi) e sua irmã, Ki-­jung (So-dam Park), afinal respiram aliviados: se ficarem bem no canto do banheiro, encarapitados no vaso sanitário, eles conseguem acesso a uma rede aberta. Não é preciso ser perspicaz para deduzir que há tempo a família Kim vai muito mal de grana. Ki-taek primeiro faliu, depois perdeu o emprego. Sua mulher, Chung-sook (Hye-jin Jang), também não tem trabalho, e o antigo sonho de ser uma atleta de categoria olímpica virou uma fotografia desbotada na estante. Os filhos são preparados e inteligentes, mas suas tentativas de cursar a universidade fracassaram. Unidos e expansivos, eles brincam e conversam — e enxotam o bêbado que todo dia teima em urinar bem na sua janela — enquanto dobram caixas de pizza a fim de ter alguma renda. Quando um agente de dedetização começa a fumigar a rua, Ki-taek não deixa fecharem essa mesma janela: quer aproveitar a química que vem de graça para, quem sabe, dar jeito nas baratas que infestam sua casa. Mulher e filhos tossem, mas Ki-­taek nem liga; é a maneira sutil pela qual o diretor Joon-­ho Bong introduz a ideia que vai constituir a espinha dorsal de Parasita (Gisaengchung, Coreia do Sul, 2019), já em cartaz no país — a de que a necessidade é a mãe não só da invenção, mas sobretudo da adaptação. E os Kim vão se reinventar e se adaptar com desenvoltura inata ao longo deste filme formidável, primeiro engraçado, depois cortante e por fim devastador, vencedor do Festival de Cannes deste ano. É provável que não perca dinheiro quem apostar que Parasita vai chegar forte ao Oscar de 2020 — não apenas na categoria de filme estrangeiro, mas também nas disputas de ator (Kang-­ho Song, que trabalha com Bong desde 2003, é uma potência), de diretor e do prêmio principal.

A virada, aqui, aparece na forma de um bico para Ki-woo: o rapaz arruma de dar aulas de inglês a uma garota muito rica, que mora com os pais e o irmão caçula numa espetacular casa modernista de um bairro impecavelmente limpo de Seul. Também na residência dos Park uma janela domina a dinâmica familiar — mas esta aqui é uma imensa extensão de vidro cristalino que, mais do que separar, une o jardim belíssimo aos interiores vastos, que a eficiente governanta mantém imaculados. Como seria viver assim?, imagina Ki-woo, que, rebatizado Kevin para fins profissionais, é um sucesso como professor e de imediato conquista a aluna e a mãe dela, a gentil e algo simples Yeon-­kyo (Yeo-jeong Jo). Entre as muitas provas da ingenuidade de Yeon-kyo está a crença de que seu filho pequeno é um gênio da pintura. Ora, a irmã de Ki-woo pretendia fazer faculdade de artes. Ele a apresenta como uma conhecida distante chamada Jessica — ela passa a dar aulas ao menino e, de quebra, bota-o na linha. E se houvesse alguma maneira de arrumar emprego na casa dos Park para o pai, e quem sabe até para a mãe?, indagam-se “Kevin” e “Jessica”. À medida que a família pobre se insinua no dia a dia da família rica, Parasita vai mudando de tessitura; a certa altura, os acontecimentos se precipitam (uma tempestade, aliás, tem papel crucial), levando os personagens de roldão e, sempre, pegando o espectador desprevenido.

RICOS E INGÊNUOS – Os Park: a complacência de quem não sabe o que é falta (Neon/ CJ Entertainement/.)

No fervilhante cinema sul-coreano, que se sai com uma surpresa atrás da outra, Joon-ho Bong ainda assim ocupa lugar de destaque. O diretor filma com imagens de uma textura tão rica, enquadramentos tão instigantes e inesperados e movimentos de uma fluidez tão perfeita que só o abalo estético que ele provoca já seria suficiente para justificar o lugar que ocupa hoje no panorama mundial. Mas Bong é também um cineasta de grande empuxo emocional e de ideias fortes. É autor de dois filmes que obrigatoriamente vêm no topo de qualquer lista de melhores — Memórias de um Assassino (2003) e O Hospedeiro (2006) —, de um terceiro, Mother (2009), que não raro acha vaga no ranking também, e de dois longas de produção internacional, Expresso do Amanhã (2013) e Okja (2017), feitos com um apetite voraz para o experimentalismo. De volta à produção natal, porém, com Parasita ele supera sua própria marca e a de seus compatriotas em um aspecto marcante: a facilidade de comunicação.

O cinema sul-coreano em geral ignora as compartimentalizações ocidentais de gênero; é comédia, suspense, drama e melodrama (e às vezes fantasia, ou ficção científica) não propriamente ao mesmo tempo mas, melhor dizendo, em sequência — curvas perigosas e mudanças de marcha abruptas são sua especialidade. Aliada à criatividade para temas e tratamentos, essa exuberância fez muito por ajudar os filmes sul-coreanos a romper barreiras de cultura e idioma nas duas últimas décadas, em que a produção floresceu impulsionada não só por Bong, mas também por Chan-wook Park (de Oldboy), Ki-duk Kim (Pietà), Chang-dong Lee (Peppermint Candy) Hoon-jung Park (Nova Ordem) e Sang-soo Hong (Na Praia à Noite Sozinha), entre outros diretores. Parasita trabalha esses fundamentos em um patamar alto: seu senso de humor acessível, a engenhosidade com que arma o cenário e a sua fluência visual e narrativa aliciam a plateia, jogam-na dentro da história, fazem com que ela se sinta confortável — e então Joon-ho Bong puxa as navalhas que vinha escondendo e desfere golpe atrás de golpe. É cinema no seu melhor: tão perfeito e envolvente que nada pode fazer com que ele se perca na tradução.


SUCESSOS SEM FRONTEIRAS

Alguns exemplos de filmes capazes de conversar com o espectador de qualquer lugar — e em qualquer idioma

Continua após a publicidade
(./.)

O TIGRE E O DRAGÃO (2000), do taiwanês Ang Lee, emplacou quatro Oscar e mais de 200 milhões de dólares com sua fantasia poética de artes marciais


(Sony Pictures Classics/.)

A SEPARAÇÃO (2011) venceu o Oscar de filme estrangeiro, reafirmou o ilustre cinema iraniano e internacionalizou a carreira do diretor Asghar Farhadi


(./Netflix)

ROMA (2018), do mexicano Alfonso Cuarón, venceu três de suas dez indicações ao Oscar e rompeu uma barreira histórica entre o streaming e o cinema

 

Clique nas imagens abaixo para comprar o blu-ray dos filmesExpresso do Amanhã e a HQ que o inspirou, O Perfuraneve

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

 

Publicado em VEJA de 13 de novembro de 2019, edição nº 2660

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.