Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Impacto

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Respirou, causou. Toda e qualquer ação transforma o mundo ao nosso redor.
Continua após publicidade

Salles enxergou mortes pelo coronavírus como oportunidade, diz Greenpeace

Em vídeo de reunião ministerial, ministro do Meio Ambiente sugeriu aproveitar o momento para aprovar medidas "a boiada"

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 22 Maio 2020, 19h18

O aguardado vídeo divulgado nesta sexta-feira, 22, era esperado por conter informações sobre as acusações do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, contra o presidente Jair Bolsonaro, mas o conteúdo completo revelou também as intenções do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para a sua área. Na reunião, Salles afirmou que, com o momento de “tranquilidade” na cobertura da imprensa, focada na pandemia da Covid-19, seria o momento de “ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”. Salles afirmou: “Agora tem um monte de coisa que é só, parecer, caneta, parecer, caneta. Sem parecer também não tem caneta, porque dar uma canetada sem parecer é cana. (…) Isso aí vale muito a pena. A gente tem um espaço enorme pra fazer”. Segundo a porta-voz de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil, Luiza Lima, o discurso não surpreendeu, mas comprovou o que vem sendo feito pelo governo federal há um ano e meio. 

Como o Greenpeace Brasil avaliou a fala do ministro do Meio Ambiente? Ele escancarou o que estamos denunciando há um ano e meio. É um projeto orientado para o desmantelamento das políticas e dos órgãos de controle. Na verdade, o plano já está claro. As ações são bastante notórias. Não precisaríamos da fala, o satélite mostra o resultado do trabalho dele. Ainda assim, é revoltante ver o que ele encarna, e que representa a voz de muitos que estavam na reunião, sobre como as pessoas morrendo nos hospitais seja uma boa oportunidade para avançar nesse projeto anti-ambiental. Salles acha que a ausência dos holofotes seria o suficiente para ele fazer o que bem entende. No mínimo, é desumano e imoral. Desde o início desse governo estamos dizendo o contrário. Não há espaço para passar “a boiada”. Como sociedade, vamos seguir questionando e resistindo.

É possível agir da forma como o ministro sugeriu, “passando a boiada”? As intenções ficam mais escancaradas a cada dia. A Justiça Federal emitiu uma decisão judicial obrigando que os órgãos ambientais cumpram com os seus deveres. E o satélite continua medindo o desmatamento. Não tem espaço para passar “a boiada” em um bem de todos, que é a floresta. Não é inacreditável o que ele disse, porque é bastante crível que venha dele uma afirmação como essa. Mas não é aceitável. Vamos continuar reagindo.

Quais foram as ações práticas que aconteceram como reflexo da fala na reunião? Começou na época eleitoral e o plano vem sendo implementado com sucesso. A demonstração é o aumento de desmatamento, de alertas de desmatamento, aumento das mortes no campo. Tudo isso mostra o sucesso de um projeto voltado à destruição. Acontece pelo desmantelamento do Ibama, desde o primeiro corte de orçamento. Quando ele proibiu os servidores do Ministério de fazerem qualquer comunicado público. O envio de tropas do Exército para a floresta é uma tentativa de grande teatro. Estão queimando dinheiro e deixando queimar a floresta. Se o interesse fosse combater o crime, não estariam fazendo esse tipo de comentário que vimos na reunião.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.