Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Felipe Moura Brasil Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".
Continua após publicidade

Gleisi Hoffmann foi eleita com dinheiro desviado de aposentados pelo marido, indicam planilhas

Blog resume casamento entre corrupção e caixa dois eleitoral, com base em investigações

Por Felipe Moura Brasil
Atualizado em 30 jul 2020, 21h45 - Publicado em 24 set 2016, 12h27

gleisi-hoffmann-cabelo-novo-2016-8422

A campanha suntuosa que elegeu a petista Gleisi Hoffmann como a senadora mais votada do Paraná foi financiada com o dinheiro sujo arrecadado pelo seu marido Paulo Bernardo em esquema milionário de desvio de recursos no Ministério do Planejamento quando ele ocupava a pasta, segundo investigações.

A VEJA desta semana explica em detalhes o casamento entre corrupção e caixa dois eleitoral.

Este blog resume:

O PT ficava com 70% do superfaturamento na taxa de administração cobrada pela empresa paulista Consist de funcionários públicos, pensionistas e aposentados endividados que recorriam aos empréstimos consignados, cujas parcelas vêm descontadas automaticamente na folha de pagamento.

Continua após a publicidade

De acordo com a Polícia Federal, o partido arrecadou mais de 100 milhões de reais em cinco anos com base nesse método.

A cota do ex-ministro no esquema era transferida diretamente pela Consist para um escritório de advocacia de Curitiba, da confiança absoluta de Paulo Bernardo e Gleisi, sendo um dos sócios Guilherme Gonçalves, encarregado de defender a senadora em processos na Justiça.

A Consist fazia de conta que pagava pelos serviços de advocacia e os advogados pagavam as despesas do casal petista sem deixar rastros.

O casal não esperava, no entanto, que o advogado Sacha Reck, um dos sócios de Guilherme, resolvesse agir após ser acusado de envolvimento no escândalo.

Continua após a publicidade

Sacha pediu a uma empresa independente que fizesse uma auditoria nas contas e nos arquivos do escritório e descobriu que o contrato de serviços jurídicos com a Consist não passava de fachada.

Mensagens e planilhas guardadas em pastas secretas registravam o destino final do dinheiro:

“Eleitoral — Gleisi”.

Reproduzo o trecho final da matéria da revista, intitulada “Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann: sr. Propina e sra. Caixa Dois”:

Continua após a publicidade

“VEJA teve acesso aos documentos da auditoria entregues às autoridades.

Ao todo, o escritório recebeu 7,2 milhões de reais da Consist. Não se sabe ainda, com precisão, quanto desse valor foi parar no caixa dois eleitoral de Gleisi, mas há fartos indícios de que não foi pouco.

De acordo com os investigadores, a propina teria sido usada para pagar de tudo: ônibus para transporte de cabos eleitorais, jantares para prefeitos, motorista particular da senadora, aluguel de um flat usado como escritório informal da campanha.

Um estagiário do escritório fazia o papel de entregador de dinheiro vivo, sempre que necessário.

Continua após a publicidade

Em depoimento, ele disse ter ouvido do antigo chefe uma frase que resume bem o esquema:

‘O dinheiro pertencia a Paulo Bernardo, que intentava bancar a campanha de Gleisi Hoffmann para os cargos que disputasse’.

Na próxima terça-feira, o STF decide se aceita ou não a acusação de corrupção contra a senadora no caso do petrolão [ela ainda recebeu 1 milhão de reais em propinas desviadas da Petrobras, segundo a PF].

O casamento entre corrupção e caixa dois, ao contrário do que dizem os que desejam uma anistia generalizada, nunca foi tão perfeito.”

Continua após a publicidade

De fato, Narizinho vai precisar muito da ajuda de Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Marco Aurélio Mello para se safar.

Se fosse Sergio Moro, a líder da Bancada da Chupeta provavelmente já estaria esperneando como ré, a caminho da cadeia.

* Recordar é viver:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=SFXKqJlceX4?feature=oembed&w=500&h=281%5D

* Veja também aqui no blog:
– Em resumo: indicado por Lula solta indicado por Lula
– Janot desmascara Toffoli por ter negado a si próprio ao soltar Paulo Bernardo

Felipe Moura Brasilhttps://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.