Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Wonka’ supera polêmicas de Roald Dahl com musical irônico e colorido

O passado do protagonista de A Fantástica Fábrica de Chocolate é narrado com alta dose de humor e fofura

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 8 dez 2023, 10h44 - Publicado em 8 dez 2023, 06h00

Munido apenas de doze moedas, um ingênuo e enérgico Willy Wonka (Timothée Chalamet) desembarca na cidade grande, onde planeja abrir uma loja de chocolate. Mas o dinheiro que deveria sustentá-lo por pelo menos um dia dura poucos minutos na famigerada metrópole — entre os gastos inesperados, uma multa salgada por quebrar a lei que proíbe transeuntes de “sonhar acordado” na rua. Esse é só o começo da série de empecilhos na trajetória do protagonista de Wonka (Estados Unidos e Reino Unido; 2023), em cartaz nos cinemas.

A fantástica fábrica de chocolate

Ambientado quase três décadas antes de A Fantástica Fábrica de Chocolate, o filme musical imagina o passado do personagem — um jovem sonhador que, para criar seu império açucarado, enfrenta gente maléfica pronta para boicotá-lo — o time da vilania tem três empresários gananciosos, um policial viciado em doces e uma dona de hospedaria golpista (Olivia Colman, hilária). Isso, sem falar do Oompa Loompa esperto e vingativo interpretado com ironia radioativa por Hugh Grant. O homenzinho laranja o persegue — uma virada e tanto para personagens que, no original, trabalham como escravos na fábrica.

Matilda

Continua após a publicidade

Mudanças desse naipe foram mais que necessárias. Criador de A Fantástica Fábrica, o autor galês Roald Dahl (1916-1990) foi acusado de racismo, antissemitismo e gordofobia. No passado, também deu trabalho: pais afirmavam que ele incentivava a rebeldia juvenil. Sua obra literária acaba de ganhar uma edição sem termos preconceituosos, e seus herdeiros pediram perdão pelas falhas do patriarca. Em contrapartida, Dahl ganhou sobrevida (e sua família, um dinheirão): a Net­flix pagou 1 bilhão de dólares pelos direitos de adaptação da obra do autor, acordo que resultou no musical Matilda e em quatro curta-metragens feitos pelo cineasta Wes Anderson.

EMPODERADO - Hugh Grant como Oompa Loompa: mudanças
EMPODERADO - Hugh Grant como Oompa Loompa: mudanças (Warner Bros.//)

A nova leva de produções expõe as razões da longevidade de Dahl: em seus livros, tempos sombrios e pessoas más sempre vão existir, mas nem por isso a vida deve ser menos colorida ou sem esperanças. Wonka adiciona a isso o humor britânico aguçado dos roteiristas Simon Farnaby e Paul King (que também faz as vezes de diretor), responsáveis pelos dois adoráveis filmes do urso Paddington. Chalamet se joga no roteiro cômico sem paraquedas: o ator de 27 anos deixa em casa (ufa!) a conhecida feição blasé digna de um palmito para assumir a personalidade vibrante do personagem, antes defendida com brilho por Gene Wilder, em 1971, e Johnny Depp, em 2005. Um retorno triunfal — e saboroso, como o melhor chocolate.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 8 de dezembro de 2023, edição nº 2871

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

A fantástica fábrica de chocolate
A fantástica fábrica de chocolate
Matilda
Matilda

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.