Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Oppenheimer’: as (boas) razões para ver filme sobre pai da bomba atômica

O cineasta Christopher Nolan retrata a tragédia do cientista que se revela tão instável e fissurado quanto o núcleo dos átomos bombardeados por sua invenção

Por Marcelo Marthe Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 jul 2023, 10h13 - Publicado em 21 jul 2023, 06h00

É noite de festa para o físico J. Robert Oppenheimer (1904-1967) nas instalações militares de Los Alamos. Na cidade construída no deserto do Novo México a toque de caixa pelo governo americano, o cientista coordenara por três anos o esforço de 4 000 pessoas para vencer os alemães na corrida pela bomba atômica. Ao custo de bilhões de dólares, o Projeto Manhattan atingiu seu feito estrondoso: dias após o teste bem-sucedido com o artefato batizado de Trinity, duas ogivas arrasaram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, em 6 e 9 de agosto de 1945, pondo fim à II Guerra. Diante da plateia eufórica, o homem celebrado como pai da bomba faz um discurso para a torcida, enaltecendo a façanha. Por dentro, contudo, o protagonista de Oppenheimer, superprodução do cineasta britânico Christopher Nolan já em cartaz no país, revela-se tão instável e fissurado quanto o núcleo dos átomos bombardeados por sua invenção. Num delírio macabro, ele vê as pessoas que o ovacionam se esfacelando, como se atingidas pelo cogumelo atômico — que, com seu estampido surdo e avassalador, vai atormentá-lo sem trégua dali até o fim da vida.

CONHECEDOR - Nolan dirige Murphy no deserto: pulsão por criar e destruir
CONHECEDOR – Nolan dirige Murphy no deserto: pulsão por criar e destruir (Melinda Sue Gordon/Universal Pictures)

Oppenheimer: O triunfo e a tragédia do Prometeu americano

No filme de três horas que se impõe desde já como uma reflexão inestimável sobre a questão atômica, o ator irlandês Cillian Murphy estampa de forma extraordinária um personagem real capaz de sintetizar os dilemas que o domínio de uma tecnologia tão poderosa trouxe para a humanidade e a ciência. Em seu físico esmaecido, e no rosto sulcado, ele exibe as marcas da determinação férrea e do desejo de desvendar o maravilhoso mundo das partículas subatômicas, que então começava a ser revelado pelas teorias de Einstein e, na esteira delas, pela física quântica. Mas o judeu de origem refinada Oppenheimer também carrega em si a melancolia e certa tendência depressiva — algo evidente desde a juventude, quando um impulso nervoso o levou a tentar envenenar um professor com uma maçã, quase precipitando sua expulsão da Universidade de Cambridge. Na esteira da bomba, esses tormentos se multiplicaram, convertendo-o de criador em ativista contra a escalada nuclear — comportamento que só lhe traria consequências trágicas.

Oppenheimer

Nos tempos de tensão crescente entre americanos e soviéticos que se seguiram à II Guerra, estabeleceu-se uma cruzada cega contra todos que fossem ou parecessem comunistas nos Estados Unidos. Nesse clima de caça às bruxas, Oppenheimer passou de herói nacional a figura incômoda com seu clamor por um exame de consciência coletivo. O cientista era presa fácil: nunca escondeu sua simpatia por causas sindicais e a amizade com militantes de esquerda. Seu irmão mais novo era filiado ao Partido Comunista americano. Até na alcova revelava-se um sujeito com tendências vermelhas: teve um affair com Jean Tatlock (Florence Pugh), socialista libertária que mais tarde seria encontrada morta de forma suspeita; a esposa, Kitty (Emily Blunt), também teve carteirinha do partidão na juventude.

Continua após a publicidade
ALGOZ - Downey Jr. como Lewis Strauss: ele destruiu o colega famoso por inveja
ALGOZ - Downey Jr. como Lewis Strauss: ele destruiu o colega famoso por inveja (Melinda Sue Gordon/Universal Pictures)

The Nolan Variations

Oppenheimer sempre negou que tivesse se filiado à agremiação comunista, mas o “diz-me com quem andas” tornava sua situação difícil — e a coisa piorou quando os soviéticos explodiram sua bomba e levantou-se a suspeita de espionagem em Los Alamos. Bastou surgir um invejoso arrivista — e o meio científico está cheio deles — para que Oppenheimer virasse troféu da patrulha macarthista. A figura em questão era Lewis Strauss (um soberbo Robert Downey Jr.), burocrata que controlava a nascente comissão americana de energia atômica. Strauss pôs Oppenheimer à frente da instituição, mas depois ficou com ciúme de sua relação com Einstein e não engoliu uma humilhação pública que o colega lhe impôs, arquitetando uma inquirição draconiana para cassar a credencial de segurança do físico — o equivalente a declará-lo persona non grata em cargos públicos e universidades. Turbinada até por depoimentos de apoiadores como o general Leslie Groves (Matt Damon), que confiara a Oppenheimer a condução do Projeto Manhattan, a investigação levou a seu desterro em 1954.

The Science of Interstellar

Como proclama a magistral biografia dos americanos Kai Bird e Martin J. Sherwin na qual se baseia o filme, lançada no país pela Intrínseca, Oppenheimer foi, em suma, um Prometeu americano: o personagem da mitologia grega que roubou o fogo dos deuses para dar aos homens, e por isso acabou amarrado a uma pedra e torturado por toda a eternidade. Não há na praça diretor mais equipado para narrar sua ascensão e queda do que Christopher Nolan. Oppenheimer dialoga com outras produções do cineasta, da assombrosa exploração ficcional de um buraco negro (fenômeno que o físico primeiro previu) em Interstellar (2014) à máquina do tempo quântica que move seu trabalho mais recente, Tenet (2020) — em que Oppenheimer é citado de forma explícita.

Continua após a publicidade
PESADELO - O cogumelo atômico de Nagasaki: uma arma sem precedentes
PESADELO - O cogumelo atômico de Nagasaki: uma arma sem precedentes (Keystone-France/Gamma-Keystone/Getty Images)

Ao modo empolgante com que usa a ciência para construir tramas intrincadas, Nolan soma aqui um comentário lapidar sobre a pulsão humana por criar invenções fabulosas em nome de boas causas — e vê-las, imediatamente, se voltarem contra nós. Quando a sombra nuclear volta a assustar o mundo com a guerra na Ucrânia, é um tanto sinistro relembrar o provérbio hinduísta que Oppenheimer balbucia ao explodir a primeira bomba: “Agora eu me torno a Morte, destruidora de mundos”. O físico genial despertou a ira dos deuses, e pagou caro.

Publicado em VEJA de 26 de julho de 2023, edição nº 2851

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Oppenheimer: O triunfo e a tragédia do Prometeu americano
Oppenheimer: O triunfo e a tragédia do Prometeu americano
Oppenheimer
Oppenheimer
The Nolan Variations
The Nolan Variations
The Science of Interstellar
The Science of Interstellar

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.