Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

Epidemia dos opioides ganha retratos contundentes em séries e filmes

Lançamentos destrincham os perversos mecanismos corporativos que culminaram na tenebrosa (e letal) onda da dependência nos Estados Unidos

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
5 nov 2023, 08h00

Num vídeo tosco, dois homens de terno entoam um rap motivacional em que se gabam de serem ótimos negociantes de uma empresa farmacêutica. Do nada, uma terceira pessoa entra em cena vestida com uma fantasia da embalagem do remédio que a dupla comercializa. O que seria apenas mais uma produção barata e de mau gosto, feita para um encontro de representantes de vendas, se tornou evidência no tribunal: a canção incentivava a equipe a convencer médicos a aumentarem aos poucos a dose do medicamento, criando dependência nos pacientes. Além de criminosa, a prática era letal: o tal remédio consistia em nada menos do que um spray de fentanil, analgésico 100 vezes mais potente que a morfina e cinquenta vezes mais passível de causar overdose que a heroína — todas as três drogas, feitas a partir do mesmo composto psicoativo, o opioide.

Nação tarja preta

O clipe chocou o júri e também o cineasta inglês David Yates, famoso por dirigir boa parte da franquia Harry Potter. “A realidade é assustadoramente mais chocante que a fantasia. Eu não acreditava que o vídeo era real”, contou o diretor a VEJA. Yates adaptou a história no intrigante filme Máfia da Dor, da Netflix, com Chris Evans e Emily Blunt interpretando vendedores que seduzem médicos com festas, sexo e propinas gordas para que eles prescrevam o spray.

DINHEIRO SUJO - 'Máfia da Dor': ganância e luxúria pagas com vidas humanas
DINHEIRO SUJO - ’Máfia da Dor’: ganância e luxúria pagas com vidas humanas (Brian Douglas/Netflix)

Império da dor

Continua após a publicidade

O longa com cores de O Lobo de Wall Street, em que ganância e luxúria são combustíveis do crime, reforça uma leva vigorosa e provocativa de produções que se propõem a expor os bastidores (e os culpados) de um fenômeno triste: o aumento chocante de overdoses por opioides nos últimos vinte anos nos Estados Unidos. Oficialmente, a substância já ceifou mais de 1 milhão de vidas no país. Nesse número (que estimativas apontam ser muito maior) contabilizam-se mortes trágicas de celebridades que deram visibilidade ao problema, como o ator Heath Ledger (1979-2008) e o cantor Prince (1958-2016) — Matthew Perry, da série Friends, morto no sábado 28, aos 54 anos, também lutou contra o vício em opioides (mas a causa da morte ainda não foi esclarecida).

CASOS REAIS - 'Império da Dor': série da Netflix mostra criação da oxicodona e primeira onda de overdoses por opioides
CASOS REAIS - ’Império da Dor’: série da Netflix mostra criação da oxicodona e primeira onda de overdoses por opioides (Keri Anderson/Netflix)

Amigos, Amores e Aquela Coisa Terrível

O tema foi destrinchado em documentários notáveis, como o indicado ao Oscar All the Beauty and the Bloodshed e O Crime do Século, da HBO. Mas nada se compara ao alcance de tramas ficcionalizadas com astros de Hollywood. Pouco antes de Máfia da Dor, a Netflix lançou a minissérie A Queda da Casa de Usher. Na trama afiada escrita por Mike Flanagan, nome pop do terror, e inspirada em contos clássicos de Edgar Allan Poe, uma família enriquece com a venda de um analgésico viciante após um acordo com uma entidade sobrenatural misteriosa. Mais que um retrato do poder destrutivo da droga, a minissérie alfineta a decadência moral dos Estados Unidos, expondo uma sociedade na qual o dinheiro prevalece sobre a vida humana. Os Usher contêm traços da família Sackler, que na vida real é dona da Purdue Pharma, desenvolvedora da oxicodona — substância responsável pela primeira onda de overdoses por opioides, no fim dos anos 1990. A trajetória dos Sackler pauta, ainda, a minissérie Império da Dor, da Netflix, com Matthew Broderick como o líder da família. Já os efeitos do medicamento em comunidades pobres é tema de outra ótima série, Dopesick, do Star+, com Michael Keaton na pele de um médico viciado na substância.

Continua após a publicidade
DOIS LADOS - 'Dopesick': Keaton é médico que prescreve e se vicia na droga
DOIS LADOS - ’Dopesick’: Keaton é médico que prescreve e se vicia na droga (./HULU)

Os desdobramentos da crise se mostram imprevisíveis. Em 2019, executivos retratados em Máfia da Dor se tornaram os primeiros envolvidos na epidemia do vício em opioides a ser condenados judicialmente. Neste ano, a família Sackler tentou pagar 6 bilhões de dólares em um acordo que a livraria de qualquer acusação futura envolvendo vítimas da oxicodona — mas a Suprema Corte americana recusou a proposta. O valor passa longe dos 80 bilhões anuais que o governo do país vem gastando com a epidemia. Agora, o alerta se volta para o narcotráfico — que não só vem atraindo antigos usuários sem receita, como passou a misturar fentanil em drogas como a cocaína para potencializar sua força. No Brasil, estima-se que 4 milhões de pessoas já usaram opioides de forma ilegal. Como bem observou o diretor Yates, é uma realidade assustadora.

Publicado em VEJA de 3 de novembro de 2023, edição nº 2866

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Nação tarja preta
Nação tarja preta
Império da dor
Império da dor
Amigos, Amores e Aquela Coisa Terrível
Amigos, Amores e Aquela Coisa Terrível

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.