Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

A ousadia de Ridley Scott ao levar o controverso Napoleão às telas

Com cenas épicas e violentas, filme retrata a figura do imperador francês que, em nome da pátria, sacrificou milhões de vidas e abandonou a mulher que amava

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 24 nov 2023, 09h59 - Publicado em 24 nov 2023, 06h00

Após a derrota humilhante na Batalha de Waterloo, em 1815, Napoleão Bonaparte foi condenado ao exílio em Santa Helena, uma pequena e remota ilha britânica no meio do Atlântico, entre Angola e o Nordeste brasileiro. Lá o ex-imperador francês morreu vítima de um câncer, em 1821, aos 51 anos, e suas últimas palavras foram, em sequência: “França, exército, comandante, Josephine”. A lista elenca as paixões que conduziram a vida do controverso general, da devoção à pátria até a única mulher que amou. Lida no sentido literal, por ordem de importância, a relação deixa claro o combustível do ex-soldado, que saiu do nada e chegou ao topo do mundo: Napoleão era perdidamente apaixonado pelo poder. O custo da ambição foi alto tanto para ele quanto para seus objetos de desejo: no caminho, sacrificou colegas de farda em combates inúteis, abandonou Josephine por “amor à França” e fez do próprio país um pária na Europa. A jornada de ascensão e queda é retratada com toques de ironia e violência no esperado filme Napoleão (Napoleon; Reino Unido; 2023), em cartaz nos cinemas, nova empreitada épica do cineasta inglês Ridley Scott.

Napoleão: O homem por trás do mito

Aos 86 anos, o diretor de Alien, o Oitavo Passageiro e Gladiador se vale da experiência e reputação conquistadas em quase seis décadas de trabalho para bancar o desafio hercúleo de traçar a trajetória de uma das figuras mais biografadas da história. Pesa ainda o fato de que Napoleão passa longe de ser uma unanimidade — as narrativas sobre ele transitam entre os extremos, de herói notável a sujeito patético, o qual compensaria com violência sua pequenez (social e de estatura, pois ele media por volta de 1,60 metro). Não à toa, Scott logo foi criticado por historiadores, especialmente franceses, que contestam liberdades poéticas do diretor, como a cena inicial, que coloca erroneamente Napoleão na execução da rainha Maria Antonieta. Scott não se intimidou com a saraivada de disparos. “Napoleão é fascinante, reverenciado, odiado, amado, mais do qualquer outro homem, líder ou político da história”, disse o diretor. “Como eu poderia não fazer esse filme?”

APARÊNCIAS - Retrato do imperador: heroico e vilanesco
APARÊNCIAS - Retrato do imperador: heroico e vilanesco (CORBIS/Getty Images)

Houve quem não fez: Stanley Kubrick (1928-1999) planejou uma cinebiografia sobre o personagem, mas os estúdios não toparam bancar os custos — o roteiro da obra perdida vai se tornar uma minissérie nas mãos de Steven Spielberg. Scott não teve a mesma dificuldade de Kubrick: Napoleão custou 200 milhões de dólares — boa parte da verba advinda da coprodução da Apple Studios, que prometeu lançar uma versão estendida do filme (que já tem duas horas e 38 minutos) em sua plataforma de streaming.

Continua após a publicidade

Ridley Scott: A Biography

O interesse renovado na figura histórica reflete os dias de hoje. Interpretado por um sempre inspirado Joaquin Phoenix, Napoleão ecoa a sociedade polarizada — enquanto o próprio foi um poço de contradições. Um voraz líder antimonarquia, ele se coroou imperador. Estrategista, conduziu embates vitoriosos — glória que o fez ainda mais arrogante e, consequentemente, imprudente: ao menos 3 milhões de soldados morreram nas guerras promovidas por ele.

ROMANCE - Vanessa Kirby como Josephine: a esposa que perdeu o valor
ROMANCE - Vanessa Kirby como Josephine: a esposa que perdeu o valor (Aidan Monaghan/Apple/.)

Seguindo as últimas palavras de Napoleão, o diretor menospreza os detalhes políticos que alçaram o general ao posto de estadista e volta as câmeras para o campo de batalha (onde os 200 milhões de dólares saltam aos olhos) e para o romance complicado com Josephine de Beauharnais (Vanessa Kirby). Viúva e seis anos mais velha que Napoleão, Josephine era nobre até ser vertida em miserável pela Revolução Francesa. Carismática, bonita e elegante, conquistou o militar e mais tarde foi coroada imperatriz ao lado dele. Mesmo apaixonado, Napoleão pediu o divórcio, já que ela não era mais capaz de lhe dar herdeiros — e a França dependia, exclusivamente, de sua futura prole. No filme, ao ler o argumento no texto da separação, Josephine tenta controlar o riso: afinal, é ridícula a vaidade daquele homem. Das batalhas que perdeu, a pior foi a luta inglória contra o próprio ego.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 24 de novembro de 2023, edição nº 2869

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Napoleão: O homem por trás do mito
Napoleão: O homem por trás do mito
Ridley Scott: A Biography
Ridley Scott: A Biography

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.