Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

A mente singular por trás do terror feminista ‘Men: As Faces do Medo’

O inglês Alex Garland cruza novas fronteiras ao retratar o luto e a misoginia — provando que é sempre original 

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h14 - Publicado em 11 set 2022, 08h00

O inglês Alex Garland esboçou a primeira versão de Men: Faces do Medo (Men, Reino Unido, 2022) há quinze anos — e sua temática ficou, com o tempo, ainda mais urgente. O terror filosófico já em cartaz nos cinemas expõe os piores cenários possíveis para uma mulher, do relacionamento tóxico ao julgamento advindo da culpa cristã, até o pavor de ser perseguida por um estranho. Quando mostrou o roteiro a um amigo, o diretor de 52 anos ouviu a resposta de praxe — a de que se tratava de uma análise feminista sobre os “perigos do patriarcado”. Outro conhecido, porém, interpretou o mesmo texto como um retrato das mulheres que enlouquecem os homens. “Não tenho controle sobre as interpretações — e não quero entregar respostas numa bandeja”, disse Garland sobre suas tramas enigmáticas em entrevista recente.

The Beach

A um só tempo profundo, surpreendente e pop, Garland é uma mente singular no entretenimento. Ele estourou aos 25 anos, em 1996, como garoto prodígio da literatura britânica. Seu romance A Praia, adaptado em 2000 para o cinema com Leonardo DiCaprio, mostrava o mal-estar por trás da animação libertária da geração das raves. A partir do êxito literário, as amplas ambições de seus roteiros ajudaram a colar em Garland o selo de intelectual. Especialmente com sua estreia na direção de filmes, o brilhante Ex_Machina, de 2014: a memorável ficção científica fala sobre uma androide sensual que usa a misoginia humana como vantagem evolutiva a seu favor.

INTELECTUAL - Garland: discípulo de Kubrick e neto de Nobel de Medicina, mas com problemas de autoestima -
INTELECTUAL - Garland: discípulo de Kubrick e neto de Nobel de Medicina, mas com problemas de autoestima – (Monica Schipper/Getty Images)

2001: Uma Odisseia no Espaço

Filho de um cartunista político e de uma psiquiatra (que, por sua vez, é filha de um Nobel de Medicina), Garland cresceu envolto pelos temas que retrata. Da distopia biológica Aniquilação (2018) à minissérie permeada de postulados da mecânica quântica Devs, disponível no Star+, sua obra tem sede de experimentações narrativas — mas nunca perde de vista o entretenimento. Com Men, ele elevou a régua dessa busca. Em luto, a protagonista Harper (Jessie Buckley) aluga uma casa no interior da Inglaterra. A paz é interrompida por uma estranha sequência de perseguidores masculinos (todos interpretados pelo estupendo Rory Kinnear). No início, quando come uma maçã do quintal da casa, Harper é repreendida numa brincadeirinha pelo proprietário. “Esse é o fruto proibido”, diz ele, numa referência ao pecado original da figura bíblica de Eva. Para mentes em ebulição, nenhuma pista passará batida.

Aniquilação: (Trilogia Comando Sul vol. 1)

Continua após a publicidade

A destreza para unir elementos do terror aos campos da psicologia, da religião e da filosofia faz de Garland um discípulo aplicado de Stanley Kubrick (1928-1999), diretor de clássicos como 2001 — Uma Odisseia no Espaço (1968). A comparação ilustre, porém, não exorciza um fantasma pessoal: Garland é acometido pela “síndrome do impostor” — termo aplicado àqueles que se autossabotam por se achar uma fraude. Humilde, ele vê as críticas a seus filmes como prova de sua falta de estudo na área — razão pela qual planeja parar de dirigir por um tempo e voltar à literatura. Jogando em qualquer posição, continuará sendo Alex Garland — ainda bem.

Publicado em VEJA de 14 de setembro de 2022, edição nº 2806

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

The Beach
The Beach
2001: Uma Odisseia no Espaço
2001: Uma Odisseia no Espaço
Aniquilação: (Trilogia Comando Sul vol. 1)
Aniquilação: (Trilogia Comando Sul vol. 1)

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.