Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘A Cor Púrpura’ reinventa como musical o clássico já filmado por Spielberg

Filme ganha cores vibrantes e confere um olhar sintonizado com o mundo atual ao livro

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
3 fev 2024, 08h00

A vida de Celie é do tipo que assusta. Paupérrima e sem autonomia, a jovem negra vive sob a sombra do racismo nos Estados Unidos do começo do século XX, é tratada como lixo pelo pai e, depois, pelo marido. Para as mulheres, a liberdade após décadas do fim da escravidão era relativa — afinal, elas continuavam serviçais, fosse na própria casa ou como domésticas. Seu único refúgio é a irmã mais nova, Nettie, um fio de alegria que, a certa altura, também lhe é tirado. À primeira vista, a sofrida Celie não possui os atributos ou a trajetória de apelo que atrai multidões ao cinema. Mas, desafiando as probabilidades, foi o que ela fez: a garota é personagem central do filme A Cor Púrpura (The Color Purple; Estados Unidos; 2023), que chega aos cinemas na quinta-feira 8. A produção, agora um musical, reforça a popularidade frutífera do livro da americana Alice Walker, lançado em 1982 e premiado com um Pulitzer — obra que ganhou uma adaptação no cinema em 1985, dirigida por Steven Spielberg, além de um premiado espetáculo na Broadway.

A cor púrpura

Levar a trama novamente à tela era uma missão capciosa que o cineasta ganense Blitz Bazawule assumiu, seguro de que poderia contribuir com um novo olhar — e foi o que ele fez. “Existe uma ideia comum de que pessoas lidando com traumas são dóceis e esperam um salvador. Mas não acredito nisso”, disse o diretor a VEJA. “Gente como a Celie está em busca de uma saída, elas não são passivas.”

arte Oscar

Steven Spielberg Director’s Collection [Blu-Ray]

Continua após a publicidade

A sacada veio quando Bazawule, que ganhou projeção como um dos diretores de Black Is King, álbum visual de Beyoncé, voltou ao texto original. O livro epistolar começa com Celie escrevendo cartas para Deus — logo, havia nela não só esperança como imaginação e criatividade. A versão de Spielberg se mantém como uma adaptação bela e acachapante, mas carrega críticas que trafegam por campos sutis da representatividade: para além do olhar de piedade no retrato de Celie, vivida então por Whoopi Gold­berg, o diretor amenizou as cenas de romance lésbico entre a protagonista e Shug Avery (Margaret Avery), uma cantora livre e desinibida. Bazawule entende as escolhas de Spielberg, agora produtor do musical: “Era um filme dos anos 1980 adaptado para aquela época. Talvez daqui a quarenta anos uma diretora negra e gay faça outra versão ainda mais pessoal que a minha”.

O que aconteceu com você? – Oprah Winfrey e Bruce D. Perry

Quem assume com brilho o lugar que foi de Whoopi é a atriz e cantora Fantasia Barrino — que já havia desempenhado o mesmo papel na Broadway. Ela divide o protagonismo com Taraji P. Henson, na pele da exuberante Shug, e com Danielle Brooks — que concorre ao Oscar de atriz coadjuvante ao dar vida a Sofia, amiga desbocada de Celie (no filme anterior, a personagem foi vivida por Oprah Winfrey, agora também produtora do musical). Por quase quatro décadas, elas passam por altos e baixos até alcançar a redenção. O trio espelha características da escritora do livro: hoje aos 79, Alice Walker é uma intelectual respeitada, assumidamente bissexual e que saiu da miséria para enfrentar uma sociedade que a repelia. Walker já citou Harriet Tubman, ex-­escrava que se tornou abolicionista, como exemplo: “É crucial que as mulheres negras se apeguem à tradição dela. Você se liberta e retorna para libertar outras”. O sonho de liberdade, enfim, se revela possível.

Publicado em VEJA de 2 de fevereiro de 2024, edição nº 2878

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.