Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Educação em evidência Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por João Batista Oliveira
O que as evidências mostram sobre o que funciona de fato na área de Educação? O autor conta com a participação dos leitores para enriquecer esse debate.
Continua após publicidade

Bendito seja o joelho ralado

É preocupante quando uma rede de ensino como a paulista reduz o tempo de aulas de disciplinas fundamentais para "desenvolver competências socioemocionais".

Por João Batista Oliveira
13 Maio 2019, 12h34

Os neurocientistas e especialistas em desenvolvimento humano chamam de “funções de controle executivo”. Os economistas chamam de “habilidades sociais” – o mais econômico deles, J. Heckman, chama de “caráter”.  Já os educadores chamam de “habilidades socioemocionais”.

Quando o assunto entra para o folclore e ameaça o que ainda resta de essencial na escola, vale a pena ler e refletir sobre os ensinamentos que a psicóloga Wendy Mogel nos traz em seu livro “The Blessing of a Skinned Knee”. O subtítulo traz grande parte do recado: “Using Jewish Teaching to Raise Self-Reliant Children”. Em tradução generosa: Bendito seja o joelho ralado: usando a tradição judaica para educar crianças autoconfiantes.

Nomes novos para problemas educacionais universais e eternos: como educar nossos filhos. Como prepará-los para a vida. E já que a escola é parte importante da vida e da preparação para a vida, como prepará-los para serem autoconfiantes e bem-sucedidos na escola e, depois, na vida.

No limite, as escolas podem contribuir – ainda que modestamente – para alterar a trajetória de vida das pessoas. Isso sempre acontece em casos individuais, que são exceções. No todo – e nos vários países –, é modesta a contribuição da educação para alterar a probabilidade de uma proporção significativa de indivíduos de nível socioeconômico mais baixo passar para níveis mais altos. Ela funciona mesmo quando reforça o que se aprende em casa e na comunidade. A escola tradicional (sem qualquer demérito para a palavra “tradicional”, que significa “trazer para a frente, atualizar) é a que reforça os valores fundamentais de uma cultura, transmitindo os conhecimentos acumulados pelos antepassados de forma a desenvolver no aluno a capacidade de se tornar autônomo e, portanto, crítico e criador de novos conhecimentos. E isso requer diligência, trabalho, esforço, suor e lágrimas.

Wendy Mogel mostra, de maneira magistral, como a sabedoria da tradição judaica contém ensinamentos profundamente atuais sobre a educação. E isso provavelmente é verdade das demais tradições – ocidentais e não ocidentais. Como é certamente verdade no estudo dos clássicos.

Continua após a publicidade

Ou seja: a educação integral, com base na formação do caráter, se aprende em casa e na comunidade. A educação formal – especialmente na Primeira Infância – pode reforçar e mais raramente compensar ou corrigir deficiências da formação da comunidade primária. E o faz com sucesso quando suas rotinas e práticas refletem esses valores. Ou seja: não existem atividades, técnicas, métodos ou “manuais de operação”. É a integridade dos educadores e o reflexo dessa integridade nas suas práticas usuais (o currículo vivido na escola) que podem contribuir para a formação do caráter e de sua consolidação.

Enquanto as habilidades sociais eram matéria de folclore e programas ou intervenções pontuais, não havia grande motivo para preocupação. São modas que vão e vêm. Enquanto serviam de alerta para os aspectos não cognitivos da educação, tudo bem. Mas é hora de se preocupar quando uma rede de ensino reduz o já magérrimo tempo de aulas das disciplinas fundamentais para abrir espaço para “desenvolver habilidades socioemocionais”.

A imagem do joelho ralado é forte. É preciso ralar – inclusive o joelho – para formar o caráter. É preciso lutar, inclusive para conquistar direitos. É preciso aprender a conviver e aprender com as derrotas e frustrações. Wendy Mogel diz que o direito da criança é ser protegido, ter comida e duas mudas de roupa. O resto, ela tem que conquistar. Bendito seja o joelho ralado.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.