Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Coluna da Lucilia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Lucilia Diniz
Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação
Continua após publicidade

Caindo a ficha

O telefone chega jovem e sedutor aos 147 anos de idade

Por Lucilia Diniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 10 mar 2023, 10h29 - Publicado em 10 mar 2023, 06h00

A gente usa celular para quê? Para mandar mensagens. Ler notícias. Reservar o restaurante. Fotografar a neta. Conferir uma receita. Ouvir podcast. Comprar. Rezar. Agendar o hotel das férias. Mais: escolher o roteiro das férias. Ver a previsão do tempo. Participar de teleconferências. Dar um google. Marcar a consulta no dentista. Checar o resultado do exame de saúde. Que mais? Ler, pesquisar, estudar. Divertir-se com o meme do dia. Mais alguma coisa? Sei lá, descobrir a origem de expressões como “cair a ficha”. Ah, sim, a gente usa o celular também para conversar.

A lista é bem maior, claro, mas esses itens, os primeiros que vêm à cabeça, são suficientes para afirmar que esse espantoso aparelhinho se tornou, em pouco tempo, central na nossa vida. Fique sem bateria na rua, e você terá arruinado boa parte do seu dia. A observação é ainda mais certeira em relação aos nativos digitais — as crianças e adolescentes que desenvolveram uma relação natural e intuitiva com as novas tecnologias. Para quem não tem limite, o mundo não é visto na tela — o mundo “é” a tela. Sim, esses precisam de aconselhamento urgente. Mas a maioria consegue separar o virtual do real de maneira saudável, tirando o máximo proveito do que esses telefones inteligentes têm a oferecer.

“Só não podemos nos esquecer do quanto a vida off-line também tem a nos oferecer”

Quando escrevi “pouco tempo” estava pensando no tempo histórico. As gran­des guinadas aconteceram nos últimos anos, com a associação entre telefonia e computação. Tudo começou com aquele celular que parecia um tijolo. Já o smart­phone é coisa dos anos 90. De lá para cá é novidade atrás de novidade, ano após ano. A mudança tem sido tão rápida que quase não há mais vestígio daqueles telefones fixos, de discar. Aliás, o próprio ato de discar é desconhecido das novas gerações. A internet está repleta de filmetes engraçados mostrando crianças que não sabem o que fazer diante do disco obsoleto.

Tecnologias costumam ser neutras, tudo depende do uso que delas se faça. Uma substância pode viciar, matar ou curar. Uma faca corta o queijo ou fere uma pessoa. E assim por diante. Com o celular não é diferente. O aparelho pode espalhar fake news ou contribuir para o bem da sociedade. Mas o potencial para ser um instrumento do bem é enorme. Há vinte anos, com a internet engatinhando, tive a chance de explorar as possibilidades dessa comunicação disruptiva ao estabelecer uma parceria, até então inusitada, com uma operadora de telefonia móvel, o que viabilizou o envio de curtas mensagens — “torpedos”, como se dizia — com dicas sobre como viver bem.

Continua após a publicidade

Essa história toda me veio à mente porque — veja só! — neste 10 de março se comemora o dia do avô do celular, bisavô talvez: o telefone, apresentado ao mundo em 1876, por Graham Bell. Desde então, a evolução tem sido tão veloz que a língua não acompanha. “Cair a ficha”, por exemplo, expressão dos anos 70 usada até hoje, se refere a algo que virou peça de museu: os orelhões públicos que, devido à inflação, passaram a usar poucas fichas em vez de montanhas de moedas.

O telefone chega jovem e sedutor à senhoridade, já que o celular é hoje símbolo da era digital. Só não podemos nos esquecer do quanto a vida off-line também tem a nos oferecer.

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.