Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Augusto Nunes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Valentina de Botas: Ducor non duco

VALENTINA DE BOTAS Ducor non duco. Felizes eram os romanos, aqueles imperialistas, que falavam uma língua tão classuda que dispensava a vírgula. Que em latim era vírgula mesmo, e que significa varinha – pra tocar as palavras, como quem tange gado. Mas com gente é diferente. Tem gente que precisa é da varona. Por favor, […]

Por Augusto Nunes
Atualizado em 31 jul 2020, 02h06 - Publicado em 15 fev 2015, 09h12

VALENTINA DE BOTAS

Ducor non duco. Felizes eram os romanos, aqueles imperialistas, que falavam uma língua tão classuda que dispensava a vírgula. Que em latim era vírgula mesmo, e que significa varinha – pra tocar as palavras, como quem tange gado. Mas com gente é diferente. Tem gente que precisa é da varona. Por favor, sem segundas intenções que, mesmo sendo muitas vezes melhores do que as primeiras, esta aqui é uma coluna de família. De mais a mais, já basta o Oliver falando palavrões na frente do próprio filho.

Não sabe, meu querido amigo Vlady, que primeiro as crianças? Irrepreensíveis o post e cada manifestação neste surto de brasil, este território onde a decência do cidadão decente é usada contra ele, em que o Estado a usa para chantageá-lo, enquanto gente com acesso à leitura já está tão acostumada à varona que nem a difere mais da vírgula. A vírgula do latim, aquela legível sem estar escrita. Não é o gato do Borba, o amargo do santo, nem a pior cidade do Brasil depois de todas as outras, nem a contramão que nos faz dar a volta no quarteirão sem chegar ao ponto de partida – é aonde a precariedade do Estado e a de quem deveria cobrá-lo nos conduz e além, para ficarmos sempre aquém da cidadania e da sanidade.

Continua após a publicidade

Ora, Oliver não veio trazer modelos de conduta, mas descrever o que um cara digno tem de fazer para não enlouquecer, não ser morto ou assaltado, nem se sentir o mais perfeito idiota, aliás, também não sou boa nessa coisa de perfeição. Quem for, pelamordedeus, resigne-se à perfeição e que o assunto é para gente normal e gente normal não está a fim de ser regenerada. Este texto e demais manifestações neste surto do Oliver falam da normalidade que a tolice dos bonzinhos insite em regenerar: da palmada vetada no país onde crianças se prostituem, até o cigarro proibido no bar enquanto o tráfico de drogas vai bem obrigada, passando pela ciclofaixa hiperfaturada da cidade onde se estaciona nas esquinas.

É a contramão sim, mas do pensamento. Este texto é o manual da sobrevivência nisso aí. Não se trata de escolher quais regras cumprir e nem de ser mais ou menos esperto. Afinal, as burradas já estão consumadas e Oliver sabia que as consequências viriam depois, como se diz por aí. Mas trata-se de não ficar à mercê da chantagem embutida, da patrulha à espreita só para perguntar e-aí-você-não-vive-criticando-o-governo. Dar uma ré na contramão não desautoriza meu maravilhosamente feroz amigo a continuar malhando os ladrões que nos roubaram o país, roubo implícito e explícito. Roubo de vírgula, de cidadania.

Oliver nem escondeu o que fez e nem confessou a coisa com o orgulho dos malandros convictos, a vergonha fingida dos hipócritas, nem a autopiedade de quem culpa os outros. Sim, a droga é pesada, é melhor usar seringas descartáveis e as crianças vêm em primeiro lugar. O que eu faria no lugar dele? Ora, eu não dirijo. Ducor non duco. Tem vírgula?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.