Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Augusto Nunes

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

“R.I.P. -Descanse em paz” e outras seis notas de Carlos Brickmann

Não é difícil ser educado, comportar-se respeitosamente num momento solene. Isso vale para os alucinados que querem festejar a morte de uma adversária

Por Augusto Nunes Atualizado em 4 jun 2024, 20h05 - Publicado em 5 fev 2017, 21h22

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

É difícil velar uma pessoa que ainda não morreu. É difícil velar a mãe de um partido político que, de certa forma, se transformou em religião. É difícil velar uma pessoa que, mesmo apenas por questão de parentesco com os adversários, se identificou a vida inteira como inimiga.

Mas não é difícil ser educado, comportar-se respeitosamente num momento solene, como é um funeral. Isso vale para todos: para os alucinados que querem festejar a morte de uma adversária; e para os fanáticos que se acham politizados e tentam jogar nos rivais a culpa de um acidente vascular-cerebral cujas causas, ao que se saiba, são absolutamente naturais. Ambos os grupos têm uma providência urgente a tomar: envergonhar-se do que fazem e fizeram.

Fernando Henrique, a quem Lula sempre tratou como seu maior adversário, foi abraçá-lo e dar-lhe solidariedade (como Lula fez quando morreu Ruth Cardoso, esposa de Fernando Henrique, e ele levou ao viúvo suas palavras de conforto). Michel Temer, essencial para o afastamento do PT do poder, deu seu abraço em Lula. Sarney se solidarizou com o adversário. Lula já liderou movimentos Fora Sarney, Fora FHC, Fora Temer; mas isso é política. Já abraço é solidariedade. Não é coisa de profissionais do poder, é coisa de gente.

Respeito humano: isso é o que todos devemos a Marisa Letícia Lula da Silva, a seu marido, a seus filhos, a seus adeptos. Há tempo de brigar, há tempo de comportar-se como gente. Descanse em paz, Marisa Letícia.

Continua após a publicidade

 

Palavras de sabedoria

Está no Eclesiastes, livro bíblico atribuído ao rei Salomão: “Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos ao pó voltarão”.

 

O sentido da expressão

O R.I.P. do título vem de Requiescat in Pace, Repouse em Paz. É um direito que todos os povos, de todas as religiões, garantem a seus mortos.

 

Por baixo dos panos

Enquanto nos preocupamos com questões de vida e de morte, a politicazinha continua comendo solta. O secretário de Parcerias de Investimentos do Governo Federal, Wellington Moreira Franco – conforme o grau de amizade, há quem o chame de Gato Triste, Gato Angorá ou, quando se trata de um amigão, simplesmente o Gato – andou sendo citado justamente como O Gato numa das delações premiadas da Odebrecht. Quem tem amigos não morre pagão: o presidente Temer transformou uma Secretaria Geral em cargo privativo de ministro e ali alojou Moreira Franco – que, além de ser um dos políticos mais próximos do presidente, é também sogro do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Agora que é ministro, o Gato Triste passou a ter foro privilegiado, e só precisará viajar a Curitiba para desempenhar as funções de sua pasta, sem qualquer obrigação de visitar o juiz Sérgio Moro. Moreira Franco diz que seu caso é diferente da nomeação de Lula para um ministério de Dilma: ele já fazia parte do Governo e foi apenas remanejado. Dizem também que já exercia o papel de ministro e só faltava nomeá-lo. Então, tá.

 

Briga no Supremo

O senador Randolfe Rodrigues acha que a nomeação de Moreira Franco é ilegal, tanto quanto foi ilegal a de Lula, no finalzinho do Governo Dilma. Na sexta à tarde, entrou com ação na Justiça Federal do Amapá para anulá-la. “O caso”, diz o senador, “é um escárnio às instituições da República, vai contra os princípios da moralidade e atinge o Estado Democrático de Direito.”

Continua após a publicidade

 

Os grandes acertos

O Congresso em ação: o PT, embora acuse o presidente da República de golpista, embora o chame de “presidente interino”, negociou o apoio a Eunício Oliveira, amigo de fé e irmão camarada de Temer, para presidente da Mesa do Senado. Em troca de seus votos, conseguiu colocar o senador José Pimentel, do PT piauiense, na primeira secretaria. Neste posto estratégico, Pimentel tem à disposição 70 cargos de livre provimento para abrigar a “cumpanherada”. Nada foi definido ainda, mas há fortes rumores de que Gilberto Carvalho, que foi secretário-geral da Presidência no Governo Dilma, assumirá a presidência do Interlegis, programa de modernização e integração do Poder Legislativo Brasileiro. É mais do que um bom emprego: dá poder.

 

…é vendaval

Falta dinheiro? Funde um partido: neste finzinho de janeiro, o Fundo Partidário pagou R$ 58,5 milhões aos 35 partidos políticos com registro definitivo no Tribunal Superior Eleitoral. Quem recebeu a maior parte foi o PT, R$ 7.866.826,90. Seguem-se o PMDB, com R$ 6.453.403,47, e o PSDB, com R$ 6.453.403,47. E de onde vem o Fundo Partidário? Multas, doações, recursos financeiros destinados por lei, dotações orçamentárias da União “nunca inferiores ao número de eleitores inscritos, multiplicados por R$ 0,35”.

Ou seja, a principal fonte do tal Fundo Partidário é o velho e bom Tesouro. Em outras palavras, o seu, o meu, o nosso dinheiro dado a partidos que não são os que queremos e para eleger parlamentares que não teriam nosso voto.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.