Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Augusto Nunes

Por Coluna
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Estamos em 2019? Talvez, sim

Dezembro veio do Latim december, o décimo mês. Janeiro e fevereiro foram acrescentados na reforma do calendário feita por Numa Pompílio

Por Deonísio da Silva
Atualizado em 4 jun 2024, 16h14 - Publicado em 13 jan 2019, 11h23

Deonísio da Silva

Para dar minha conta feita a tempo,/ O tempo me foi dado e não fiz conta,/ Não quis, sobrando tempo, fazer conta,/ Hoje, quero acertar conta, e não há tempo”.

O autor destes versos foi um capitão do exército português que deixou a vida militar para tornar-se padre letrado e viveu na Bahia já com o novo nome de Frei António das Chagas. Ele conclui assim o seu soneto: “Pois aqueles que, sem conta, gastam tempo,/ Quando o tempo chegar, de prestar conta,/ Chorarão, como eu, o não ter tempo” (você pode ouvir o poema aqui).

Estamos em janeiro, do Latim januarius, de Janus, deus das portas na Roma Antiga. Ele tinha duas caras: uma na frente, como todos nós; outra na nuca, como nenhum de nós.

Para proteger o futuro, Jano olhava também para o passado e via o que tinha acontecido em dezembro, o último mês do ano. Uma porta se fechava, como se cantasse “Adeus, Ano Velho”, e outra se abria, como se saudasse “Feliz Ano Novo”.

Por meio desta metáfora com o deus Jano, os antigos romanos viam as coisas como se o passado anunciasse o futuro. Esta é também a ideia de fazer o cadastro de pessoas e de instituições, pois foram eles também que criaram o binômio pessoa física e pessoa jurídica, uma vez que as pessoas e as instituições costumam pautar suas existências por repetições e até por instabilidades semelhantes às dos astros, que fazem a mesma rota aparentemente estável todos os dias e nos indicam com sua viagem a nossa própria viagem.

Continua após a publicidade

Dezembro também tem sua história. Veio do Latim december, o décimo mês. Janeiro e fevereiro foram acrescentados na reforma do calendário feita por Numa Pompílio, o segundo rei de Roma, em 713 a.C., portanto quarenta anos ab urbe condita, expressão do Latim para dizer “desde a fundação da cidade”, também abreviada em AUC ou a.u.c.

Até então, o ano começava em março. Além de dezembro, os étimos dos meses de setembro, outubro e novembro atestam que o ano teve originalmente dez meses e que eles eram o sétimo, o oitavo e o nono mês: september, october, november. Portanto, contamos o tempo a partir do nascimento de Jesus, origem da expressão abreviada em a.C., antes de Cristo.

Esta inovação foi introduzida no século VI por um monge chamado Dionísio, que viveu onde hoje fica a Romênia. Muito bom em matemática e em astronomia, por encomenda do Vaticano, fixou a data do nascimento de Jesus no ano 753 da fundação de Roma, criando a expressão Anno Domini, Ano do Senhor.

O novo calendário, que dominaria o mundo a partir do século IV, foi baixado no ano 284 da Era de Dioclesiano, dali por diante designado 532 A.D., isto é, 532 anos depois de Cristo. Com o tempo, tirou-se a expressão A.D. e foram mantidas apenas as iniciais a.C. para os eventos ocorridos antes de Cristo.

O novo calendário tornou-se hegemônico porque o imperador Constantino, depois da batalha em que viu no céu um feixe de luz cercando a cruz com a frase In hoc signo vinces (com este sinal vencerás), tinha baixado um decreto de tolerância religiosa para o cristianismo, a seguir tornado religião exclusiva do império por Teodósio I ainda no mesmo século.

Continua após a publicidade

Em 1582, o papa Gregório XIII percebeu que as alterações feitas no ano 46 a.C. por Júlio César, chefe militar e estadista da Roma antiga, estavam com uma defasagem de dez dias. Assessorado por astrônomos, tal como havia feito o autor de De Bello Gallico (A Guerra Gaulesa), o Sumo Pontífice baixou a bula Inter gravissimas, retirando dez dias do novo calendário.

Assim, o dia seguinte a 4 de outubro não foi o dia 5, mas, sim, o dia 15. Esta reforma teve, entre outros, os objetivos de fixar corretamente a data da Páscoa e o começo das estações, pois a diferença vinha causando desordens nas festas religiosas e na agricultura.

É por isso que estamos em 2019 e é por isso também que nosso calendário é chamado gregoriano.

*Deonísio da Silva
Diretor do Instituto da Palavra & Professor
Titular Visitante da Universidade Estácio de Sá
https://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.