Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Universo primitivo era iluminado por galáxias bebês, revela James Webb

Formações de gás brilhavam mais que as estrelas recém-nascidas

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
6 nov 2023, 16h19

Desde o início do seu funcionamento, em julho de 2022, o Telescópio Espacial James Webb vem revelando detalhes surpreendentes do universo primitivo. Agora, pesquisadores australianos utilizaram a ferramenta para fazer mais uma descoberta. De acordo com eles, 90% das primeiras galáxias que surgiram pouco após o Big Bang eram ricas em gases que brilhavam mais do que as estrelas em formação. 

A luz captada pelo telescópio viajou por 12 milhões de anos e, portanto, foi emitida quando o universo ainda tinha cerca de 2 bilhões de anos de idade. Naquele momento, a maioria das galáxias em formação ainda eram ricas em gases, que começavam a dar origem a novas estrelas. De acordo com a análise mais recente, esses astros recém-nascidos emitiam a quantidade ideal de radiação para excitar as partículas e fazer com que o gás brilhasse de maneira mais intensa do que as estrelas

Essa não foi a única novidade divulgada pelos pesquisadores. “Nossas descobertas sugerem que cada uma dessas galáxias tinha pelo menos uma outra galáxia vizinha. A interação entre as duas causava o resfriamento do gás e desencadeava um intenso episódio de formação estelar, resultando na emissão extrema de luz”, afirma Anshu Gupta, pesquisador do Centro Internacional de Pesquisa em Radioastronomia e autor do estudo publicado nesta segunda-feira, 6, no periódico científico The Astrophysical Journal

Os achados confirmam hipóteses anteriores que apostavam na intensa interação entre galáxias primitivas para o surgimento de novas estrelas. 

Continua após a publicidade
JAMES WEBB VS HUBBLE: telescópio mais novo tem resolução surpreendente em comparação com o ser antecessor
JAMES WEBB VS HUBBLE: telescópio mais novo tem resolução surpreendente em comparação com o ser antecessor (Gupta et al, 2023 (modificado)/The Astrophysical Journal/Science in Public/Divulgação)

O achado só foi possível devido ao poder do telescópio James Webb, capaz de obter imagens em alta resolução de emissões que demoraram milhões de anos para chegar até o sistema solar. Para essa análise, foram utilizados dados de infravermelho profundo, capazes de analisar ondas fora do espectro de luz visível, e espectroscopia multiobjetivo, técnica que permite analisar a composição química das objetos observados. Essas tecnologias tem permitido uma melhor compreensão da formação de novas estrelas, da evolução das galáxias e, potencialmente, do surgimento do universo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.