Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Um salto para a humanidade: a nova revolução do James Webb

Dois anos após enviar suas primeiras imagens do universo, o telescópio supera as expectativas e começa a impactar o campo da astrofísica

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 11 jul 2024, 17h47 - Publicado em 6 jul 2024, 08h00

O lançamento do hoje lendário telescópio Hubble, em abril de 1990, foi um marco para a ciência, mudando a forma de ver e compreender o espaço. Lá no alto, o equipamento conseguia visualizar as estrelas diretamente, sem o véu da atmosfera terrestre — um grande salto na astronomia. Uma vez aberta essa porta para o entendimento do universo, os cientistas se apressaram a ampliar seus horizontes pondo em marcha o projeto de construção do sucessor do Hubble. Com orçamento de 1 bilhão de dólares, engenheiros das agências espaciais americana, europeia e chinesa inicialmente planejaram um supertelescópio com espelho de 10 metros, três vezes mais poderoso, onde embutiriam sensores capazes de captar imagens em meio a raios luminosos infravermelhos e ultravioleta. Demorou quatorze anos e custou dez vezes mais, mas em dezembro de 2021 o telescópio espacial James Webb foi lançado com estardalhaço, um pouco menor (espelho de 6,5 metros) e com sensores mais limitados, mas ainda assim capaz de excepcionais descobertas.

Não decepcionou: imagens recentes captadas por ele estão revolucionando os conceitos sobre os primórdios do universo. “A expectativa era grande, mas mesmo assim nos surpreendemos com o que ele tem revelado”, diz Joris Witstok, cosmólogo da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, que participa das pesquisas. “Olhar tão fundo no passado está mostrando que, no início, o universo era bem diferente do que imaginávamos.”

OLHO VIVO - James Webb: recursos poderosos e imagens que estão mudando conceitos sobre a evolução do universo
OLHO VIVO – James Webb: recursos poderosos e imagens que estão mudando conceitos sobre a evolução do universo (Adriana Manrique Gutierrez/CIL/Nasa)

Por conseguir enxergar um comprimento de onda invisível para os olhos humanos, o James Webb é capaz de captar sinais que viajaram por bilhões de anos. Esse desempenho lhe permitiu quebrar duas vezes, no curto espaço de tempo em que se encontra ativo, o recorde de galáxia mais antiga já avistada, expondo imagens inéditas de aglomerados de estrelas formadas 300 milhões de anos após o Big Bang — praticamente os primeiros segundos de existência de um universo com cerca de 13,8 bilhões de anos. O resultado abalou as estruturas do mundo científico, que supunha que as primeiras galáxias fossem pequenas e opacas, devido à escassez de elementos químicos complexos. As imagens do James Webb revelaram, ao contrário, que esses aglomerados são inesperadamente grandes e brilhantes, o que sugere uma evolução bem diversa das conjecturas até então em vigor.

Revelações sobre os primórdios do universo são o feito de maior impacto até agora entre as muitas descobertas captadas pelo James Webb. Desde as primeiras imagens, enviadas em julho de 2022, o telescópio confirmou o que se previa: que sua trajetória seria um divisor de águas na astrofísica. “Mesmo com parte do espelho danificado por um meteorito, a qualidade da imagem capturada se mostrou muito superior ao esperado”, afirma o astrofísico brasileiro Christopher Willmer, professor da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos. Em pleno funcionamento, o telescópio mais poderoso já construído pelo homem, capaz de reproduzir um infinito antes invisível, descortinar planetas em estrelas distantes e revelar segredos dos primórdios do universo, tem suas descobertas esmiuçadas em uma série de estudos publicados nos últimos meses.

Continua após a publicidade

Além de apontar para novas estrelas e exoplanetas (como são chamados os corpos fora do sistema solar), o supertelescópio já foi capaz de captar auroras em Júpiter, anéis desconhecidos em Netuno e imensos buracos negros, mais ativos do que se supunha. Outra boa surpresa, para os cientistas, é a revisão do prazo de operação do James Webb. “Esperávamos que fosse funcionar por cinco anos, mas o lançamento foi tão perfeito que a expectativa aumentou para duas décadas”, comemora Stefanie Milam, cientista responsável pelo telescópio no Centro God­dard de Voo Espacial, da Nasa. As imagens do Hubble, primeiro, e agora do James Webb lançam novas luzes sobre o mistério das origens do universo, um conhecimento essencial para determinar para onde ele caminha, e abrem espaço para novos saltos da engenhosidade humana.

Publicado em VEJA de 5 de julho de 2024, edição nº 2900

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.