Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Telescópio detecta ondas de choque de uma explosão estelar pela primeira vez

A equipe da Nasa analisou imagens capturadas por Kepler a cada 30 minutos, durante três anos, de 500 galáxias distantes (que incluem cerca de 50 trilhões de estrelas)

Cientistas conseguiram observar pela primeira vez o início de ondas de choque da explosão de uma estrela massiva em luz visível. De acordo com a Nasa, o telescópio espacial Kepler capturou o momento da enorme explosão no final da vida da estrela, que gerou as ondas quando se torna supernova. “Compreender a física destes eventos permite aos cientistas entender melhor como a complexidade química e a vida se espalharam no espaço e no tempo da nossa galáxia, Via Láctea”, disse a agência espacial americana em comunicado.

A equipe de pesquisadores, liderada por Peter Garnavich, astrofísico da Universidade de Notre Dame em Indiana, analisou imagens capturadas por Kepler a cada 30 minutos durante um período de três anos de 500 galáxias distantes (que incluem cerca de 50 trilhões de estrelas). Segundo a Nasa, duas estrelas supermassivas explodiram, mas apenas uma pode ser capturada por Kepler, uma vez que a estrela menor possivelmente estava coberta por gás, o que escondeu o fenômeno. “Para ver algo que acontece em uma escala de tempo de minutos, como essas ondas vindas da explosão, você precisa ter uma câmera monitorando continuamente o céu. Você não sabe quando uma supernova irá explodir e a vigilância de Kepler permitiu testemunharmos o início das ondas de choque”, disse Garnavich à Nasa.

Leia também:

Conheça a ASASSN-15lh, a supernova mais brilhante do céu

Hubble detecta aglomerado de estrelas-monstro milhões de vezes mais brilhante que o Sol

A primeira estrela – que não pode ser vista explodindo -, apelidada de KSN 2011a, está a 700 milhões de anos-luz da Terra e possui cerca de 300 vezes o tamanho do Sol. A segunda, chamada KSN 2011d, está a 1.2 bilhões de anos-luz de distância e tem 500 vezes o tamanho do Sol.

“Todos os elementos pesados ​​do universo vêm de explosões de supernovas. Por exemplo, toda a prata, níquel e cobre na Terra e até mesmo em nossos corpos vieram da explosão de estrelas. A vida existe por causa de supernovas”, disse Steve Howell, cientista do projeto Kepler da NASA. A pesquisa foi aprovada para publicação na revista científica Astrophysical Journal.

Explosão estelar – Supernova é o nome dado à explosão de estrelas com dez vezes (ou mais) a massa do Sol. É um evento raro, previsto para ocorrer a cada 50 anos na Via Láctea. Uma supernova pode ser tão brilhante quanto uma galáxia, mas, com o passar do tempo, a luminosidade diminui até ela se tornar invisível. O processo todo geralmente ocorre em semanas ou meses. Durante a explosão, cerca de 90% da massa estelar é expulsa. Por causa do brilho intenso, são comumente usadas como pontos de referência no universo para cálculo de distância entre os corpos.

Mesmo com curto “período de vida”, o estudo dessas supernovas é importante para trazer mais informações sobre o Universo em que vivemos.

(Da redação)