Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Grande Esfinge pode não ter sido esculpida apenas por humanos, diz estudo

Artigo sugere que egípcios esculpiram monumento em rocha que já havia sido parcialmente erodida pelo vento

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 17 nov 2023, 12h21 - Publicado em 17 nov 2023, 12h15

A Grande Esfinge de Gizé, no Egito, é um dos monumentos mais conhecidos do mundo. Com o corpo de um leão em repouso e a parte superior esculpida na forma da cabeça de um faraó, o monolito foi moldado há cerca de 4.500 anos. Agora, um estudo científico aponta que os humanos não foram os únicos envolvidos nesse trabalho. 

Não, a resposta não está nos alienígenas, como foi sugerido por muito tempo, mas na natureza. De acordo com um artigo publicado nesta quinta-feira, 16, no periódico científico Physical Review Fluids, o vento pode ter dado a forma básica ao monolito, que depois teria sido esculpido pelos egípcios em homenagem ao rei. 

Para isso, os pesquisadores da Universidade de Nova Iorque (NYU) aplicaram um fluxo rápido de água a uma mistura de argila. Enquanto a água representa o vento responsável pela erosão, a argila fez o papel do terreno encontrado no nordeste do Egito. O que eles viram é que o fluxo poderia dar origem a estrutura básica do felino em repouso. 

GRANDE ESFINGE - Fluxo: experimento replica a possível ação do vento para a construção do monumento
GRANDE ESFINGE – Fluxo: experimento replica a possível ação do vento para a construção do monumento (NYU's Applied Mathematics Laboratory/Divulgação)

“Os nossos resultados fornecem uma teoria simples sobre como formações semelhantes à Esfinge podem surgir da erosão”, diz o autor sênior do estudo, Leif Ristroph, ao site da NYU. “De fato, existem hoje alguns Yardangs que se parecem com animais sentados ou deitados, dando apoio às nossas conclusões.”

Continua após a publicidade

Yardangs são formas geológicas irregulares, em forma de coluna, que são encontradas no deserto. Essas estruturas são esculpidas em rochas pela ação abrasiva do vento, de maneira dependente da força e da direcionalidade do fluxo. 

YARDANG - Natural: estruturas são esculpidas pelo vento
YARDANG – Natural: estruturas são esculpidas pelo vento (Petr Svarc/UIG/Getty Images)

O geólogo da Nasa, Farouk El-Baz, já havia sugerido esse possibilidade em 1980, mas sem evidencias fortes que pudesse dar suporte a teoria.  “Os antigos engenheiros podem ter optado por remodelar a cabeça à imagem de seu rei”, escreveu, em 2001. “Eles também lhe deram um corpo semelhante ao de um leão, inspirado nas formas que encontraram no deserto.”

De acordo com os autores, a melhor compreensão desse processo é importante para entender a formação de rochas e ajudar na preservação dessas grandes estruturas históricas. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.