Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Gigante vermelha com comportamento estranho intriga cientistas

Estrela está brilhando mais e piscando duas vezes mais rápido que de costume

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 jun 2023, 09h17 - Publicado em 31 Maio 2023, 17h52

Olhar para o céu e deparar com os questionamentos existenciais que ele traz é uma das experiências mais humanas que alguém pode experienciar. Um desses pontos brilhantes é Betelgeuse, a gigante vermelha mais próxima ao Sol. Ela costumava ocupar a 10ª posição entre as estrelas mais brilhantes, mas nos últimos meses, ela passou a ocupar o lugar e começou a piscar duas vezes mais rápido que o normal. 

Usualmente, a gigante vermelha intercalava entre fases mais brilhantes e mais opacas em ciclos que duravam 400 dias, mas, ultimamente, esse tempo diminuiu pela metade e a estrela ficou 50% mais brilhante. 

Esse não é o único fenômeno estranho que ocorreu com a vizinha. Entre os anos de 2019 e 2020, o brilho de Betelgeuse ficou bem mais fraco. Isso aconteceu porque a estrela ejetou uma nuvem de gás e poeira que bloqueou parte da luz de chegar até a Terra. Cientistas explicam que as mudanças observadas na estrela após a ejeção da nuvem estão relacionadas à tentativa de retornar ao equilíbrio, o que, de acordo com o artigo que descreve o fenômeno, pode demorar até 10 anos para acontecer. 

Toda essa atividade caótica é justificada pelo estágio da vida do corpo celeste. “Uma das coisas mais legais sobre Betelgeuse é que estamos assistindo ao estágio final da evolução de uma grande estrela quase em tempo real”, afirma ao jornal britânico The Guardian a astrofísica da Universidade de Tecnologia de Swinburne, Sara Webb

Continua após a publicidade

A gigante vermelha pode ser facilmente observada entre o fim da tarde e o início da noite no hemisfério sul do planeta e está localizada próxima à constelação de Orion. No entanto, ela não ocupará esse lugar para sempre – pesquisadores esperam que a estrela exploda em uma brilhante supernova em algum momento entre os próximos 10 mil e 100 mil anos

Existe, contudo, uma pequena chance de isso já ter acontecido. A luz da estrela demora 600 anos para chegar até a Terra, portanto, ela pode já ter explodido e a humanidade ainda não teve tempo de notar. 

De qualquer maneira, quando o brilho chegar, será um grande espetáculo: por cerca de uma semana, a supernova iluminará as noites terrestres e trará um intenso clarão para o céu diurno. Até lá, Betelgeuse ainda irá revelar muitas surpresas a respeito do seu triste e bonito fim. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.