Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pesquisa localiza base genética da amizade entre cães e humanos

Pesquisadores da Suécia encontraram variações em um conjunto de genes que explicam comportamento dos cães

Por Da redação Atualizado em 12 out 2016, 19h32 - Publicado em 29 set 2016, 19h00

Pesquisadores da Universidade de Linköping, na Suécia, identificaram pela primeira vez regiões do genoma dos cães que podem explicar a amizade e a lealdade com seres humanos. O estudo foi publicado nesta quinta-feira na revista científica Scientific Reports.

“Estamos tentando entender as bases genéticas da domesticação: o que ajudou a transformar o lobo selvagem, que não tem interesse em se relacionar com homens, nessa criatura sociável que é o cão”, disse Per Jesen, co-autor da pesquisa, em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Leia também:
‘Pets’: como evitar os perigos de deixar seu animal sozinho
Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços 

Os 190 cães da raça beagle observados no estudo nasceram no canil do laboratório e foram criados de forma altamente padronizada, sem que os pesquisadores da universidade dessem atenção aos cachorrinhos, como forma de avaliar seu comportamento na ausência da interação humana.

A segunda etapa foi deixar um pesquisador com cada um dos cachorros em salas separadas durante três minutos. Foram colocadas debaixo de três tampas de plástico pequenas guloseimas. Duas delas os beagles conseguiam empurrar com as patas ou o focinho, e assim alcançar a guloseima, mas uma foi fixada no local, e isso causou mudanças de comportamento no animal.

Com uma câmera de vídeo no ambiente, os cientistas puderam observar quanto tempo os cães demoravam para pedir ajuda – e quais as suas estratégias. A maioria pulou em cima dos pesquisadores e buscou contato visual, fazendo aquela carinha de ‘cachorro sem dono’.

Base genética

Os estudiosos realizaram uma ampla análise do genoma dos cachorros e associaram a diferença no comportamento a variações de cinco genes. Dessas variações, a que mais chamou a atenção foi a do gene denominado de ‘SEZ6L’, que os pesquisadores relacionaram ao tempo que os cães gastavam para se aproximar dos humanos. “Quatro dos genes também apareceram em outras pesquisas antigas realizadas em pessoas. Nesses estudos, a mudança foi associada a distúrbios sociais, como o autismo”, disse Mia Persson, principal autora do estudo, em entrevista a Scientific Reports. Ou seja, certas características de gene poderiam tornar os cães mais propensos a interagir com os humanos, enquanto outras formas fariam deles indivíduos menos sociáveis.

Os estudiosos também pretendem realizar a pesquisa com outras raças de cachorros para confirmar a teoria.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês