Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fêmea grávida de espécie rara de tubarão é encontrada nas Filipinas

O tubarão-boca-grande só foi visto 60 vezes desde que foi descoberto, na década de 1970

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 6 dez 2023, 19h14 - Publicado em 6 dez 2023, 18h00

Um animal estranho e dócil ocupa as águas profundas do oceano. Conhecido pela sua boca larga e circular, o tubarão-boca-grande é muito raramente encontrado por seres humanos. Moradores das Filipinas, no entanto, tiveram a sorte de se deparar com um desses animais — e algo tornou esse evento ainda mais excepcional: a fêmea estava grávida. 

O caso ocorreu em 14 de novembro, na província de Aurora, quando o animal de 5,6 metros de comprimento e uma boca que media 1,3 metro foi encontrado atolado na areia. A fêmea estava acompanhada por um filhote e carregava outros seis em seu ventre. 

O que esse evento traz de novidade?

Uma fêmea grávida dessa espécie nunca foi encontrada anteriormente e, por isso, o fenômeno é um prato cheio para os cientistas. Entre as principais descobertas está o fato de que o tubarão-boca-grande é ovivíparo — ou seja, os filhotes se desenvolvem em ovos e eclodem dentro do útero da fêmea, que posteriormente os dá à luz. 

RARIDADE - Uma fêmea e sete filhotes: seis das proles ainda não haviam nascido
RARIDADE – Uma fêmea e sete filhotes: seis das proles ainda não haviam nascido (Annabelle Lapitan/NMP Zoology/Facebook/Divulgação)

A raridade é inerente a essa espécie. Apesar de estar entre os maiores tubarões do oceano, foi visto apenas cerca de 60 vezes desde a sua descoberta, em 1976 — as Filipinas são o segundo lugar com mais registros, depois apenas de Taiwan. Curiosamente, a maioria dos encontros se dá porque esses animais são estranhamente atraídos por redes de pesca, onde ficam presos e são capturados. 

Continua após a publicidade

O número de indivíduos ou o status de conservação são desconhecidos. Isso acontece porque, mesmo que subam à superfície eventualmente, costumam passar a maior parte do tempo no oceano profundo, a até 4.600 metros de profundidade, onde filtram a água para se alimentar. 

Até agora, muitos especialistas acreditavam que o animal se desenvolvia no útero da mãe independentemente de uma placenta e que, durante esse período, se alimentava de óvulos não fecundados. O encontro não apenas revelou que o animal é ovivíparo, mas também sugeriu que gera muito menos filhotes que os outros tubarões, cujas proles podem chegar às centenas. 

O que acontece agora?

Os animais foram resgatados pelo Museu Nacional das Filipinas. Tanto a mãe quanto os filhotes estão sendo submetidos a necrópsia e serão preservados para estudo e exibição. O exame vai ajudar na compreensão da causa da morte e poderá elucidar mais detalhes sobre os hábitos e a fisiologia dessa espécie tão pouco conhecida.  

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.