Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Descobertas mostram como o ser humano é capaz de reter imagens no cérebro

Estudos se voltam à nossa memória visual, ferramenta essencial para a sobrevivência

Por Duda Monteiro de Barros, Gustavo Silva Atualizado em 4 jun 2024, 11h06 - Publicado em 1 abr 2023, 08h00

Nos primórdios da história, um tempo de linguagem pouco desenvolvida e escassa troca de informações, os hominídeos, ancestrais dos humanos, tinham a memória como grande aliada para refazer as rotas que levavam às fontes de água, aos pés de frutas sem teor tóxico e às cavernas que ofereciam maior segurança. Protegida por essa primitiva capacidade de armazenar um vasto conjunto de imagens ao mesmo tempo, a espécie foi prosperando e evoluindo. Sem esse potente HD mental, a revolução agrícola, que marcou a passagem da vida nômade para uma existência sedentária, provavelmente não teria se desenrolado como relatam hoje os livros de escola. Pois foi a associação entre as formas das plantas e seu período de plantio e colheita — tudo visualmente memorizado — que serviu de base para a reviravolta que moldaria os destinos da humanidade.

Nesse amplo campo que não para de ser investigado pela ciência, uma recente descoberta reforça o que outras vinham sinalizando: a memória visual humana, já identificada em tão longínqua era, é muito superior ao que se imaginava. Depois de aplicar uma batelada de testes cognitivos em um grupo de centenas de pessoas e observar seu cérebro em ação por meio de avançados aparelhos, pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital, prestigiado centro de estudos sobre psicologia e neurologia nos Estados Unidos, mapearam a frenética absorção de estímulos visuais — um processo que põe para trabalhar as principais regiões da mente, entre elas o córtex pré-frontal, local de registro instantâneo daquilo que se vê, e o hipocampo, que consolida a memória de longo prazo (veja na ilustração abaixo).

arte memória

Ao fim do extenso levantamento, eis que os cientistas chegaram à conclusão de que os indivíduos têm o potencial de guardar o triplo de dados visuais do que costumava aparecer em aferições semelhantes. “É um resultado bastante expressivo, que enfatiza quão afiada é essa capacidade humana”, disse a VEJA Jeremy Wolfe, doutor em psicologia pela Universidade Harvard, um dos autores do estudo. O que está em jogo são lembranças de naturezas variadas, que enlaçam tempo e espaço — da localização do carro em um estacionamento apinhado ao trajeto para certo destino, do lugar onde repousa um produto no mercado a fragmentos comoventes da infância. “Quanto mais feliz o momento, mais ele tende a ficar armazenado, já que o cérebro entende sua relevância, ao mesmo tempo que, como mecanismo de defesa, pode apagar detalhes de episódios traumáticos”, explica o neurocientista Fabiano Agrela.

Continua após a publicidade

A visão representa 80% de tudo o que os cinco sentidos captam juntos. Ela é permanentemente bombardeada de informações, algumas logo descartadas. O excesso de estímulos no entorno dos habitantes desta era moderna é um desafio e tanto para o cérebro, em sua constante função de separar o que vale guardar. É também, surpreendentemente, uma vantagem para a memória visual, segundo aponta o estudo americano. Ele constata que, diante de um cenário superlotado de informações, a mente humana se sai muito bem, memorizando em questão de segundos uma quantidade notável de imagens, sobretudo quando não faz esforço para reter o que vê. Curiosamente, quanto mais intenso é o empenho para registrar uma determinada situação, pior será o desempenho dos neurônios unidos na teia que desemboca na memória. “Pode soar um paradoxo, mas somos especialmente bons em lembrar quando direcionamos menos atenção a um objeto ou situação”, diz Ivan Okamoto, do Núcleo de Excelência em Memória do Hospital Albert Einstein.

Decifrar os mecanismos da memória humana começou a se apresentar como uma área de estudos em 1885, quando o psicólogo alemão Hermann Ebbinghaus publicou um livro em que pela primeira vez era descrita a mecânica do esquecimento. Um século e muito conhecimento acumulado depois, foi a vez de uma pesquisa encabeçada pelo sueco Anders Ericsson introduzir a ideia de que a capacidade de armazenamento do cérebro pode ser expandida à base de treino e prática. No início dos anos 2000, o neurocientista austríaco Eric Kandel mostrou que as pessoas só retêm informação quando percebem nela algum valor, trabalho que lhe rendeu o Prêmio Nobel de Medicina. Mais recentemente, com os avanços da tecnologia, foi possível identificar o gene que, no curso da história, contribuiu para o gradativo aumento do tamanho do cérebro, aprimorando-se assim habilidades cognitivas e a própria memória — ferramenta vital para a sobrevivência.

Publicado em VEJA de 5 de abril de 2023, edição nº 2835

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.