Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cientistas descobrem igreja submersa na costa alemã há mais de 650 anos

Projeto identificou as estruturas do principal templo do centro comercial medieval de Rungholt

Por Marília Monitchele Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
25 Maio 2023, 16h02

Rungholt era um assentamento nas ilhas da Frísia do Norte, no que era então o ducado dinamarquês de Schleswig. Em 15 ou 16 de janeiro de 1362, o entreposto medieval afundou sob as ondas do Mar de Wadden, hoje na Alemanha, quando um temporal atingiu a costa. Agora, um esforço coletivo de pesquisadores alemães localizou a principal igreja do vilarejo, encerrando uma discussão que vem acontecendo há pelo menos um século.

Combinando métodos geocientíficos e arqueológicos, os pesquisadores conseguiram confirmar a existência do que seria o principal templo da zona comercial. A região, que teve sua destruição relatada de forma mítica, representa uma situação única na Europa. Com a ajuda de métodos geofísicos, como a gradiometria magnética e a indução eletromagnética e sísmica, os pesquisadores conseguiram mapear assentamentos ocultos sob os lodaçais da área inundada. “Com base nessa prospecção, coletamos seletivamente núcleos de sedimentos que não apenas nos permitem fazer declarações sobre relações espaciais e temporais de estruturas de assentamento, mas também sobre o desenvolvimento da paisagem”, explica a nota da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz.

As investigações trazem informações únicas sobre a vida dos colonos na região das ilhas da Frísia do Norte e evidenciam novos achados nas planícies. Neste mês, foi encontrada uma cadeia de terps (montes artificiais de assentamentos medievais) de dois quilômetros. Em um desses, as fundações de uma grande igreja podem ser claramente identificadas. “A característica especial da descoberta reside no significado da igreja como centro de uma estrutura de assentamento, que em seu tamanho deve ser interpretada como uma paróquia com função superior”, diz Ruth Blankenfeldt, arqueóloga envolvida na descoberta.

Além do raio de dois quilômetros que se localiza o edifício sagrado, os pesquisadores continuaram o mapeamento por uma área de mais de 10 quilômetros quadrados e encontraram outros 54 terps, resquícios de sistemas de drenagem, um dique marítimo com um porto de maré e outras duas igrejas menores. A área de assentamento encontrada deve, portanto, ser considerada como um dos principais locais historicamente relatados do distrito administrativo medieval de Edomsharde.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.