Clique e assine a partir de 9,90/mês

Cães distinguem palavras e entonações como nós, comprova estudo

Estudo da 'Science' sugere que os animais têm atividade cerebral em duas áreas distintas para conectar entonações e palavras - assim como nós

Por Da redação - Atualizado em 30 ago 2016, 16h08 - Publicado em 30 ago 2016, 15h37

Os cães conseguem entender as palavras ditas para eles – para a felicidade dos donos. De acordo com estudo que será publicado nesta semana na revista Science, o melhor amigo do homem é capaz de distinguir palavras e entonações com as mesmas regiões cerebrais que as usadas pelos humanos. Segundo os pesquisadores da Universidade Eötvös Loránd, em Budapeste, o estudo pode trazer pistas para compreender a evolução da linguagem: eles sugerem que o mecanismo de aprendizado de vocabulário pode não estar apenas em humanos, mas sim, ser uma habilidade mais antiga para conectar sons arbitrários a significados em diversas espécies.

Leia também:
Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços
Donos de gatos são mais neuróticos que donos de cães, diz estudo
Gatos: 9 atitudes dos donos que os felinos detestam

Esse é o primeiro estudo que investiga como o cérebro dos cães processa as palavras. Os pesquisadores identificaram que, assim como os humanos, os cachorros usam o hemisfério esquerdo do cérebro para interpretar o discurso humano, e regiões do hemisfério direito para analisar a entonação.

“Bom menino”

Os cientistas treinaram treze cães para que ficassem parados em uma máquina de ressonância magnética. Uma vez posicionados no local, os animais ouviam a voz de treinadores enquanto os pesquisadores monitoravam as atividades cerebrais apresentadas em cada frase.

Os cães foram expostos a diversas sentenças que misturavam entonações e palavras com sentidos variados: eles ouviram palavras gentis (como “bom menino”, ou “muito bem”) e neutras (como “tanto faz”) faladas com entonação feliz e indiferente. Assim, os pesquisadores descobriram que os cachorros só apresentaram atividade na área cerebral relativa à recompensa quando uma palavra gentil era falada de uma forma igualmente cortês.

Continua após a publicidade

Os achados sugerem que os bichos são capazes de distinguir as palavras que estavam sendo ditas, ativando duas áreas distintas do cérebro para realizar uma conexão entre entonações e palavras – o mesmo que os humanos fazem.

“O cérebro humano não apenas analisa separadamente o que dizemos e como dizemos, mas também integra os dois tipos de informação, para chegar um significado unificado. Nossas descobertas sugerem que os cães também podem fazer tudo isso e usam mecanismos cerebrais muito similares”, afirmou Attila Andics, líder da pesquisa, e estudioso de linguagem e comportamento em humanos e cães.

Linguagem primordial

Segundo os pesquisadores, o estudo também traz indícios de que os mecanismos neurais de processamento de palavras evoluíram muito antes do que se acreditava e que, talvez, não sejam específicos aos humanos. Mesmo que um animal não fale, ao conviver em um ambiente familiar com palavras faladas, ele poderá desenvolver a capacidade de compreendê-las. Em estudo anterior, Andics já havia  mostrado como cães são capazes de reconhecer, pela voz, se o dono está triste ou feliz. As descobertas podem, assim, facilitar a cooperação entre cães e humanos e fortalecer a amizade entre os dois.

Publicidade