Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A revolução do Autolib’ em Paris

Como os 'Bluecars', carros elétricos compactos que começam a rodar pelas ruas da capital francesa, podem mudar o futuro da mobilidade no planeta

Nunca, em nenhuma outra cidade do mundo, houve um programa semelhante com carros elétricos. Independentemente de dar certo ou não, o sistema inaugurado em Paris já faz parte da história do automóvel.

Lançado em Paris e em 45 cidades dos arredores no dia 5 de dezembro, o Autolib’ coloca o automóvel em uma nova era. Trata-se da primeira iniciativa de car-sharing em uma grande cidade do planeta. Traduzindo-se ao pé da letra, o termo em português significa “compartilhamento de carro”. Funciona assim: os interessados em rodar com um dos carros do sistema Autolib‘ poderão aderir a ele com pagamentos anuais, semanais ou diários, desde que tenham carteira de motorista, documentos de identidade e cartão de crédito. Dependendo da fórmula escolhida, pagarão de 5 a 7 euros a cada meia hora de utilização do automóvel, que poderá ser retirado em uma estação e devolvido em outra, situada a quilômetros de distância, desde que em Paris ou em outra cidade da região que também participe do projeto (assim como acontece com outra invenção parisiense, as bicicletas do Vélib).

Leia também

Por dentro do instituto americano que está criando as cidades inteligentes do futuro

“Queremos transformar favelas em centros de inovação”, diz urbanista do MIT

O Autolib’, no entanto, é mais que isso. Começa com os BlueCars, os carros compactos desenhados pelo Studio Pininfarina. Terão quatro lugares e um pequeno porta-malas (confira na ficha técnica), e serão equipados com motores elétricos. Isso significa que não emitirão nenhum grama de fumaça e serão silenciosos. A partir do início de dezembro, haverá 300 deles rodando nas ruas de 46 cidades na região da capital francesa. A meta é chegar a junho de 2012 com 1.700 carros e alcançar a marca dos 3 mil veículos em 2013. Nunca, em nenhuma outra cidade do mundo, houve um programa semelhante com carros elétricos. Independentemente de dar certo ou não, o sistema inaugurado em Paris já faz parte da história do automóvel. (Continue lendo a matéria abaixo)

Arte/VEJA

Arte com os números do AutoLib em Paris

Arte com os números do AutoLib em Paris (/)

Logotipo do carro elétrico da Autolib pintado em uma estrada em Vaucresson, Paris

Logotipo do carro elétrico da Autolib pintado em uma estrada em Vaucresson, Paris (/)

Para surpresa geral, quem opera o sistema não é nenhum grande construtor francês. A Renault esnobou a iniciativa, apesar da agressiva aposta em carros elétricos empreendida pelo seu comandante-em-chefe, o franco-brasileiro Carlos Ghosn; a PSA, dona das marcas Peugeot e Citroen, concorreu em um consórcio com a francesa Veolia, e perdeu a corrida. Nem a Vinci, proprietária de estacionamentos em paris e pedágios pela França afora, que também estava na briga em associação com a locadora Avis, a SNCF – a empresa ferroviária francesa – e a Smart. Quem ganhou a concorrência para desenvolver e implantar o sistema foi Vincent Bolloré, 58 anos, o décimo-segundo francês mais rico da face da Terra, com uma fortuna estimada em 1,7 bilhão de dólares.

Vincent Bolloré ganhou a concorrência, segundo pessoas próximas ao empresário, porque foi o mais ousado no investimento. Enquanto os outros concorrentes queriam se assegurar de que não perderiam dinheiro em caso de fracasso, ele tocou o projeto em frente. Excetuando-se um investimento público de 50 mil euros por estação, que virá dos cofres das cidades participantes, o resto do dinheiro sairá integralmente da carteira de Bolloré.

Recém-chegado ao mundo dos carros, ele tem uma ambição: provar que a bateria de lítio-metal-polímero (LMP), produzida na França e no Canadá por um dos braços de seu grupo, é uma solução melhor para automóveis elétricos do que as de íon de lítio, similares às que equipam telefones celulares ou computadores portáteis.

BlueCars: Como são e como funcionam os carros elétricos

A principal diferença entre os dois modelos reside no fato de as LMP não utilizarem líquido ou pasta eletrolítica. Por serem completamente secas, elas não necessitam de manutenção e são mais baratas. Além disso, a vida útil é maior, podendo chegar até 10 anos em temperaturas entre -40 e 65 graus célsius. Uma bateria comum dura em média três anos.

O LMP desenvolvido por Bolloré pode ser utilizado em carros, em ônibus e também para estocar energia que, segundo ele próprio, será um dos grandes desafios nos próximos anos. “Paris é uma grande vitrine mundial e muita gente estará de olho no que acontecer com o Autolib’ “, disse ele ao site de VEJA, em uma entrevista realizada em março de 2011, durante o Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça, onde a versão final do BlueCar foi apresentada ao público pela primeira vez. (Continue lendo a matéria abaixo)

Assista ao vídeo promocional do Autolib’

http:http://www.youtube.com/embed/lJ-g8LBtSBM

Bolloré pretende recuperar seu investimento de várias formas. Uma delas é com a venda dos BlueCars. Segundo ele, já existem 8 mil interessados em tê-los na garagem de casa, antes mesmo de o primeiro modelo ser exibido em uma concessionária. Há também o projeto de um ônibus de 22 lugares equipado com baterias LMP, em fase final de desenvolvimento.

Sem falar na venda das baterias desse tipo para outros construtores ou para turbinar o negócio de conservação de energia em milhares de casas (a vantagem seria acumular energia comprada em momentos de tarifa baixa e consumi-la nos horários de pico). Entre o dinheiro colocado para produzi-las em duas usinas – uma na França, outra no Canadá – e o usado para desenvolver o BlueCar, estima-se que o investimento de Bolloré tenha chegado a 1,5 bilhão de euros, quase quinze vezes mais do que custará a operação Autolib’ a cada ano.

Apesar de algum descontentamento por parte do sindicato dos taxistas parisienses, da redução de centenas de vagas de estacionamento na cidade para acomodar a chegada das estações (quem insiste em parar seu carro em uma delas se sujeita a ser multado em 35 euros pela infração), do protesto de membros do Partido Verde (os ecologistas não gostam da ideia de mais automóveis nas ruas de Paris, mesmo que limpos), e até do seu criticado lado Big Brother (o percurso de cada carro será monitorado 24 horas por dia, via satélite, por questões de segurança), o Autolib’ goza de boa imagem na França. Cerca de 1.000 pessoas aderiram ao projeto antes mesmo de sua estreia.

A boa recepção se deve também a outro trunfo secundário, mas não menos importante. O Autolib’ gera empregos, uma palavra mágica em plena recessão europeia. Em cada estação haverá funcionários para proteger os carros de atos de vandalismo e ajudar os clientes com registros e outras formalidades. Calcula-se que 1.500 trabalhadores sejam admitidos no programa nos próximos meses, dos quais cerca de 1.200 nas estações.

A partir de 5 de dezembro de 2011, Vincent Bolloré tentará provar aos céticos que tem razão. Se vencer a aposta, certamente ganhará muito dinheiro com a venda de suas baterias, com o lançamento de novos Autolib’, em países da Europa para começar e em outros continentes depois. E passará ao futuro como um dos homens que mudou a forma de ir de um lugar para o outro em uma grande cidade. Por tudo isso, vale à pena conferir de perto o que se passará com os carrinhos cinza em Paris nas próximas semanas.

Arte/VEJA

Arte sobre o funcionamento do Autolib em Paris

Arte sobre o funcionamento do Autolib em Paris (/)