Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

2011, um ano de violência sem precedentes contra internautas

Por Joel Saget
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h43 - Publicado em 12 mar 2012, 11h03

O ano de 2011 foi de uma “violência sem precedentes contra os internautas”, cinco dos quais morreram e 200 foram presos, afirma o Repórteres Sem Fronteiras (RSF), em seu relatório de 2012 sobre os inimigos da internet divulgado nesta segunda-feira, Dia Mundial contra a Cibercensura.

“Os internautas estiveram em 2011 no centro das mudanças políticas que afetaram o mundo árabe. Tentaram, ao lado de jornalistas, impedir a censura, mas, em contrapartida, pagaram um alto preço”, declarou o RSF.

O grupo de defesa da liberdade de imprensa estimou que 2011 foi “um ano de violência sem precedentes contra internautas. Cinco morreram quando realizavam uma missão de informação”.

“Mais de 200 prisões de blogueiros e internautas foram contabilizadas, ou seja, um aumento de 30% sobre o ano anterior”, acrescentou.

Na Síria, “mais de 120 internautas estão hoje na prisão”, denunciou o RSF, considerando que a violência neste país poderá agravar ainda mais este cenário.

Continua após a publicidade

Por ocasião do Dia Mundial contra a Cibercensura, o Google e o RSF vão entregar o prêmio “Repórteres Sem Fronteiras” para o internauta Astrubal, co-fundador do blog tunisiano Nawaat.

O RSF adicionou à sua lista de países “inimigos da internet” o Barhein e Belarus, e retirou a Venezuela e a Líbia da lista dos países “sob vigilância”.

Em seu relatório, o RSF destaca que “as mudanças feitas a esta lista refletem as recentes evoluções da liberdade de informação on-line”.

A lista de “inimigos da internet” ainda inclui: Arábia Saudita, Birmânia, China, Coréia do Norte, Cuba, Irã, Uzbequistão, Síria, Turcomenistão e Vietnã, países que “possuem sérios problemas de acesso, uma filtragem rigorosa e a perseguição de internautas e de propaganda online”, explica o RSF.

Continua após a publicidade

“Entre vigilância e filtragem, a distância é muitas vezes tênue”, agrega.

Além das ditaduras, “os chamados países democráticos estão se rendendo às tentações securitárias, tomando medidas desproporcionadas para proteger os direitos autorais”, assinala o RSF.

Entre os países “sob vigilância” estão Austrália, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Egito, Eritreia, França, Índia, Cazaquistão, Malásia, Rússia, Sri Lanka, Tailândia, Tunísia e Turquia.

O RSF observa que alguns países exercem outras formas de censura na rede, como o Paquistão “que recentemente fez uma licitação para implantar um sistema nacional de filtragem da rede, comparável a uma grande muralha eletrônica”.

Continua após a publicidade

Finalmente, a organização afirma que permanece atenta as situações de liberdade de informação na internet, especialmente em países como Azerbaijão, Marrocos e Tajiquistão, embora não estejam em suas listas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.