Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Universal inaugura megatemplo hoje com alvará provisório e sem aval dos bombeiros

A presidente Dilma Rousseff e o governador Geraldo Alckmin confirmaram presença no evento

Um alvará de evento emitido pela prefeitura de São Paulo no dia 19 deste mês vai garantir a abertura do Templo de Salomão nesta quinta-feira, no Brás, na região central de São Paulo. As outras licenças que o prédio da Igreja Universal do Reino de Deus deveria ter para funcionar, como as aprovações do projeto modificativo de alvará de reforma e o relatório do impacto de vizinhança, continuam sob análise na Secretaria Municipal de Licenciamentos. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, a obra será inaugurada também sem o atestado dos bombeiros que garantiria que o local segue as normas de segurança.

O documento provisório concedido pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) garante a inauguração do templo hoje, às 19 horas, com presenças confirmadas da presidente Dilma Rousseff e do governador Geraldo Alckmin (PSDB). O Templo de Salomão foi construído com base em um alvará de reforma concedido no dia 22 de outubro de 2008. A autorização foi emitida pelo setor Aprov 5 da Secretaria Municipal de Habitação, que na época era comandado pelo ex-diretor Hussein Aref Saab, afastado em 2012 sob suspeita de enriquecimento ilícito. Segundo informou à Folha o Corpo de Bombeiros, o templo também não obteve o AVCB, o auto de vistoria que atesta existência de saídas de emergência, extintores de incêndio e rotas de fuga.

Histórico – Ao conceder um alvará provisório para a inauguração de uma igreja, a gestão Haddad repete o que foi praticado no governo anterior. Em 2012, o então prefeito Gilberto Kassab (PSD) concedeu alvará provisório para a inauguração do megatemplo Mãe de Deus, do padre Marcelo Rossi, em Interlagos, na Zona Sul. Em 2010, Kassab assinou uma autorização provisória do próprio punho para garantir a liberação do templo da Igreja Mundial na Rua Carneiro Leão, no Brás. O ex-prefeito chegou a ser alvo de ação do Ministério Público por causa da licença, considerada ilegal pela Promotoria de Habitação.

Como tem capacidade para 10.000 pessoas e 1.200 vagas de estacionamento, o Templo de Salomão deveria ter sido enquadrado como polo gerador de tráfego, o que obrigaria o empreendedor a pedir alvará de nova obra. Neste caso, a igreja deveria pagar 5% do valor da obra de 680 milhões de reais (cerca de 35 milhões de reais) em contrapartidas ambientais e melhorias viárias. Mas, como a obra de mais de 64.000 metros quadrados foi considerada uma “reforma” pela prefeitura, a Universal apenas teve de pagar em contrapartidas exigidas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) cinco rebaixamentos de guias, a instalação de seis conjuntos semafóricos e o plantio de 25 mudas de árvores.

O Ministério Público investiga se houve fraude na emissão das licenças e na construção. Em nota, a Universal não comentou a informação de que o alvará concedido ao templo é para reforma. Mas disse que é “no mínimo prematuro” afirmar que tenha havido fraude. A Universal afirma ter tomado conhecimento da investigação por meio da imprensa. Já a gestão Haddad disse que vai confrontar o alvará concedido em 2008 com pedidos de licença ainda em análise pelo governo.

(Com Estadão Conteúdo)