Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Senadores discutem em sessão sobre Código Florestal

Por Da Redação
13 set 2011, 16h25

Por Andrea Jubé Vianna

Brasília – A temperatura subiu hoje no Senado durante audiência pública com juristas para discutir os aspectos legais do novo Código Florestal. A senadora Kátia Abreu (PSD, ex-DEM), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e o senador Pedro Taques (PDT-MT) trocaram farpas depois que o pedetista saiu em defesa do procurador da República Mário José Gisi, um dos convidados para debater a reforma do código. A votação do código está programada para amanhã na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O clima esquentou depois que Kátia subiu o tom ao se dirigir ao procurador: “O senhor é procurador, ganha mais de R$ 20 mil por mês, pode pagar 160% acima do preço pelos (produtos) orgânicos”, provocou. Antes, Gisi havia rebatido uma manifestação da senadora, contrária à redução das áreas de produção agrícola. Ela havia alegado que a fome não se combate com palavras e, sim, “no cabo da enxada e com o trator”. Gisi rebateu: “Esse modelo de produção (defendido por Kátia) é o do trator, da terra arrasada e do agrotóxico”. Ele citou uma pesquisa segundo a qual cada brasileiro consome 5 litros de agrotóxicos por ano.

Depois que Kátia acusou o procurador de criticar os defensivos agrícolas porque podia comprar orgânicos, o senador Pedro Taques interveio, pedindo respeito ao regimento interno do Senado a fim de que os convidados para os debates sejam tratados com urbanidade. “Esse debate emocional não deve ser trazido para o Senado. Eu não jurei respeitar o estatuto da CNA”, alfinetou, insinuando que Kátia estava lá como representante do agronegócio e não como senadora.

“E o senhor não deveria ter jurado o corporativismo de ficar aqui defendendo a sua turma”, devolveu Kátia, lembrando que Taques era procurador da República e membro do Ministério Público Federal, assim como o convidado. “Quem tem turma é vossa excelência!”, retrucou o pedetista. “Corporativista”, encerrou Kátia. Na saída, o relator do código, senador Luiz Henrique (PMDB-SC), cumprimentou discretamente o Pedro Taques: “Vou te dar luvas de boxe de presente”, brincou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.