Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PSB fala em falha na investigação do acidente com Campos

Partido emitiu nota apoiando família das vítimas e solicitando conclusão da apuração através da Procuradoria Geral e da Polícia Federal

Por Da Redação 20 jan 2016, 15h10

Em nota assinada pelo presidente do partido, Carlos Siqueira, o PSB disse nesta quarta-feira concordar com a família do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos em relação a falhas na investigação do acidente aéreo que matou o então candidato a presidente, em agosto de 2014, e mais seis ocupantes do jato Cessna Citation 560 XL.

De acordo com relatório do Centro de Investigação de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) divulgado pela Força Aérea Brasileira (FAB), a indisciplina em voo, as péssimas condições meteorológicas na hora do acidente, o cansaço do piloto Marcos Martins e do copiloto Geraldo Magela Barbosa e a falta de treinamento deles naquele modelo levaram a uma possível “desorientação espacial”, o que fez com que a tripulação perdesse o controle da aeronave, levando à queda. As investigações descartaram falha técnica da aeronave.

Tanto as famílias dos tripulantes quanto a de Eduardo Campos, porém, acreditam que as autoridades deveriam avançar nas investigações de possíveis falhas técnicas do modelo usado pelo então candidato presidencial e pretendem entrar com ação na Justiça dos Estados Unidos contra a Cessna, fabricante do jato. A nota divulgada nesta quarta pelo PSB diz que o partido “expressa sua concordância com as ponderações feitas pela família de Campos a respeito das conclusões do trabalho”.

“O PSB entende que o Cenipa deveria ter considerado outros acidentes e incidentes envolvendo aeronaves da mesma família, Citation, de fabricação norte-americana, e realizado durante a investigação um teste de simulador de voo”, diz o texto assinado por Siqueira, ex-braço direito de Eduardo Campos.

A nota termina ao afirma que “se espera, por ora, a conclusão da apuração a cargo da Procuradoria da República e da Polícia Federal”.

Estados Unidos – Representantes das famílias apontaram uma falha no sensor de velocidade como a possível causa determinante para o acidente. O argumento servirá como base para uma ação nos Estados Unidos contra a Cessna, fabricante do avião.

Esta e outras possíveis falhas técnicas, de acordo com o advogado Josmeyr Oliveira, não foram investigadas de forma aprofundada pelo Cenipa, cujo relatório final destacou a falha humana como causa determinante para o acidente. O documento é considerado “reducionista, negligente e incompleto” pelo advogado. “Faltaram dados para eles criarem paradigmas para dizer o que aconteceu e o que não deveria ter acontecido”, disse Oliveira.

Continua após a publicidade

Relatório paralelo produzido com o auxílio do perito Carlos Camacho, ex-comandante de aeronaves de grande porte, rebate uma a uma as argumentações do Cenipa, de que os pilotos estariam cansados e despreparados para aquele voo. Segundo Camacho, antes de viajar na manhã de 13 de agosto de 2014, dia do acidente, os pilotos tiveram 34 horas de repouso e estavam preparados. “Eles fizeram 90 missões naquela aeronave antes daquele voo. Mesmo se eles tivessem tido treinamento falho, isso seria compensado pela experiência”, argumentou.

O perito também rechaçou o argumento de que os pilotos tiveram desorientação espacial durante o procedimento de arremeter o avião. “Só quem já teve uma desorientação sabe o que é. Não se vê nada. E as últimas imagens da queda, colhidas em uma igreja, mostram que os pilotos já estavam retomando o controle do avião”, disse.

LEIA TAMBÉM:

Mau tempo e erros dos pilotos levaram à queda do avião de Eduardo Campos

Omissões – O relatório independente aponta ao menos duas omissões no documento do Cenipa: a ausência de uma “reconstituição” do acidente em um simulador de voo e a recusa do órgão em analisar acidentes e incidente ocorridos em aeronaves do modelo semelhante, mesmo depois de esses casos terem sido encaminhados pelos representantes dos pilotos.

Segundo Camacho, há casos antes e depois do acidente de 13 de agosto que apontam para a falha no sensor de velocidade como causa da perda de estabilidade do avião. “Em 2001, na Suíça, os pilotos tiveram altitude suficiente para recuperar o controle da aeronave”, disse.

O equipamento é responsável por impedir que procedimentos próprios ao pouso, como o uso de flaps (ferramenta instalada nas asas que permite estabilização da aeronave mesmo em velocidades mais baixas) e estabilizadores, sejam usados em momentos de maior potência do motor. Em caso de uso dos flaps em velocidade acima de 200 nós, o “nariz” do avião tende a apontar para o chão, diz Camacho.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade