Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Polícia Civil prende mais de 2.000 em operação nacional

Batizada de PC-27, a operação cumpre mandados de prisão, busca e apreensão em todos os estados; até agora, 2.067 suspeitos foram detidos

Por Da Redação 10 Maio 2013, 12h03

A Polícia Civil realizou nesta sexta-feira uma ação conjunta para cumprir milhares de mandados de prisão e de busca e apreensão em todo o país. A operação foi deflagrada na noite desta quinta-feira e, até o fim desta manhã, 2.067 pessoas suspeitas de envolvimento em diversos crimes foram presas, segundo informações da Agência Brasil. Os procurados são acusados de vários tipos de crimes, como assassinatos, roubos, tráfico de drogas e até mesmo dívidas por falta de pagamento de pensão alimentícia.

A Polícia civil também apreendeu 79 menores de idade. Os policias recuperaram ainda 189 veículos roubados e apreenderam 255 armas, 178 quilos de maconha, 47 quilos de cocaína e onze quilos de crack, além de 176.398,10 reais em dinheiro.

Leia também:

PF prende sobrinho e secretário de governador do AC

Desenvolvida pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícia, a Operação PC-27 é um marco aos 205 anos de fundação da instituição no Brasil, data comemorada nesta sexta-feira. Participam das ações 4.610 policiais civis e 535 delegados das 27 unidades da federação.

Estados – Em Goiás, 101 pessoas foram presas – dezoito delas policias militares. Até as 11h desta sexta-feira, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo não sabia informar os resultados da operação no estado.

No Paraná, 303 suspeitos foram apreendidos, entre eles quinze adolescentes. Em Foz do Iguaçu, a operação levou à prisão de um dos responsáveis pelo roubo de quadros dos pintores Pablo Picasso e Cândido Portinari do Museu de Arte de São Paulo (Masp), em dezembro de 2007. Robson Jesus Jordão, o “Robinho”, estava foragido da Penitenciária de Valparaíso, no interior de São Paulo. Duas semanas após o roubo, ele foi preso pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol, na sigla em inglês) e condenado a nove anos e seis meses de prisão. Os dois quadros, avaliados em 100.000 reais, também foram recuperados pela Interpol.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade