Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PM do Rio terá de aprender a levar desaforo para casa

Comandante do recém-criado Batalhão de Grandes Eventos, que atua em manifestações, prepara treinamento para evitar que policiais reajam a provocações. "Os black blocs são covardes", afirma

Policiais acompanham protestos com as fardas identificadas Policiais acompanham protestos com as fardas identificadas

Policiais acompanham protestos com as fardas identificadas (/)

Criado mais na base do sufoco do que por planejamento, o recém-formado Batalhão de Grandes Eventos da Polícia Militar do Rio ocupa, no Estácio, o local que já pertenceu ao 1º BPM. Tudo é novo para os 400 militares recrutados para compor a nova tropa – escolhidos principalmente pelo perfil psicológico -, como é novidade para o Brasil o fato de, a qualquer momento, eclodir em frente a um prédio público ou numa avenida de movimento um bloco de manifestantes, muitos deles mascarados. Os PMs estão, no momento, dedicados a uma lição inusitada: aprender a “levar desaforo para casa”, aceitar provocações e, principalmente, não reagir de forma impulsiva às intimidações que, como se vê, são inevitáveis em uma manifestação de rua, com ânimos exaltados.

“As provocações são armadilhas. Durante os protestos, os PMs são insultados, ofendidos. Na semana passada, um manifestante cuspiu em um policial. Não podemos cair nesse jogo. Nosso policial terá treinamento para ter tolerância”, resume o coronel Wagner Villares Oliveira, escolhido para comandar a nova unidade.

Lei mais: Black blocs são detidos para prestar depoimento

O problema é que, com uma agenda intensa e quase imprevisível de protestos, o treinamento acontece simultaneamente a operações diárias, como a da última segunda-feira, quando cerca de cem black blocs depredaram agências bancárias, atearam fogo em um ônibus e tentaram incendiar a Câmara de Vereadores, na Cinelândia. O grupo Black Bloc, obviamente, é o maior desafio para Villares e seus 400 escolhidos. “Os mascarados não têm uma proposta. Querem quebrar, destruir, causar pânico. São covardes e se misturam a pessoas que estão exercendo um direito democrático, de forma pacífica”, analisa o coronel.

Fazer o policial entender que deve manter o autocontrole, apesar de do outro lado haver covardia e provocação – inclusive com bombas caseiras, morteiros e muitas pedras – é um processo que não será obtido do dia para a noite. Em Berlim, na Alemanha, a formação de um batalhão reconhecido por ser preciso e eficiente na contenção de manifestações foi algo que durou quase quatro décadas. No Rio, estão desde já recrutados para o trabalho os psicólogos da PM, com profissionais também de fora da corporação.

Os policiais do Batalhão de Grandes Eventos não são exatamente crus. A maior parte deles veio do Grupamento de Policiamento de Proximidade de Multidões, também criado às pressas a partir de junho e diferenciado dos demais policiais pelo uso de letras e números grandes destacados na farda. Os “alfanuméricos”, como ficaram conhecidos, obtiveram sucesso em suas primeiras missões. Além da identificação visível à distância, o grupo, formado por iniciativa do coronel Robson Rodrigues da Silva e de outros oficiais, então subcomandante e chefe do Estado Maior Administrativo da PM, operava de forma diferente. Em vez de formar uma linha, uma barreira ou bloqueios de rua, os PMs atuavam entre os manifestantes, conversando e tentando convencer a massa a tomar este ou aquele rumo, evitando assim os confrontos. Deu certo – pelo menos por um tempo, enquanto era possível separar com mais clareza os black blocs dos manifestantes pacíficos.

A divisão e a diferença de propósitos das reuniões na rua ainda existem, mas os mascarados passaram a operar de maneira diferente, como explica Villares. “Nossa ação tem que ser cirúrgica porque os radicais se misturam aos manifestantes quando o ato já está acontecendo. No início dos protestos, eles chegavam durante a concentração. Agora, não sabemos quando vão aparecer, e geralmente usam os demais manifestantes como barreira”, diz o oficial.

http://videos.abril.com.br/veja/id/ae7090066c854c06a4c4ba43031908ea

17h30 – Manifestantes chegam de metrô ao Centro do Rio

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/8ae6f93a53db4af3c4448cc8f588ac6a

18h – Em coro, multidão chama mais pessoas para as ruas

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/8ee5fff4f0e0cc4128fdbf43080d20d0

18h15 – Chuva de papel picado dos prédios da Av. Rio Branco

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/7b690cf011a1ced73eba0676d720fa18

18h45 – ‘Sem violência’, pedem manifestantes

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/6d13e4d284664be721a6d6f9e36e848b

19h30 – Policiais que faziam segurança da Alerj são atacados

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/73a3e75da6a04ed0e1fa493ff49c4d93

19h40 – Vândalos invadem e depredam prédio da Alerj

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/3711ca8bacb76fdc1aa75bc825d7cbde

19h55 – Policiais atiram ao alto para conter baderneiros

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/e40713e0d3b4f1ea3a01a2bd4549b945

20h – Policiais são apedrejados e agredidos

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/be359badb5268b8de0de54155dcfb4db

20h25 – Vândalos viram carro que seria incendiado depois

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/f2ffd964b95c52bebf2e2b1e6259a3ca

20h50 – Carro é incendiado no entorno do Alerj

.

http://videos.abril.com.br/veja/id/1d6e1aa45ec21fa557db830e4d6062e1

21h10 – Bombeiros chegam e são ovacionados pela multidão

.

Leia também:

Sindicato dos professores defende black blocs e avisa que vai criar sua “autodefesa”

Sindicato dos professores do Rio é reprovado em matemática

O sindicato conseguiu: protesto de professor agora é na base da pancadaria

Lindbergh quer ver o circo pegar fogo

Claudia Costin: “Estão fazendo a leitura errada do plano”

Cada policial do novo batalhão tem, sobre os ombros, além da responsabilidade sobre a segurança dos manifestantes, da população que não tem relação com o protesto e do patrimônio, o peso da imagem da corporação. O outro elemento novo desse processo – as câmeras espalhadas por toda parte – fazem com que cada erro da PM seja reproduzido e propagado na internet como um equívoco, ou mesmo um crime, de toda a tropa. O efeito danoso de imagens como a de um policial com o cassetete quebrado, debochando dos grevistas – um PM postou a foto no Facebook com a frase “foi mal, ‘fessor'” – é imenso, e atiça a revolta.

Os vídeos feitos durante as manifestações são um material de trabalho importante para o novo batalhão. Ali estão registrados os erros da PM, as ameaças por parte dos grupos de vândalos e, claro, os momentos em que a ameaça partiu de um agente do estado. Mesmo os policiais selecionados para o novo batalhão já foram flagrados cometendo erros grosseiros: em um vídeo divulgado na internet, um policial do batalhão alfanumérico arremessa o celular de um manifestante, em um momento de claro descontrole. Como se vê, o caminho até uma polícia preparada para aceitar provocações é longo.